NASA: foguete SLS sofre falha grave e interrompe seu primeiro teste

1 min de leitura
Imagem de: NASA: foguete SLS sofre falha grave e interrompe seu primeiro teste
Imagem: NASA
Avatar do autor

No último sábado (16), a NASA fez o primeiro teste do foguete SLS, desenvolvido há 10 anos, com o objetivo de testar seus quatro motores. Infelizmente, sua execução culminou em uma falha grave, resultando na interrupção automática antes do tempo previsto. O veículo de lançamento superpesado é a principal aposta da entidade para a missão Artemis, que busca levar a humanidade de volta à Lua em 2024.

O Sistema de Lançamento Espacial (SLS, na sigla em inglês) é o foguete mais poderoso que a NASA já projetou e é derivado do antigo sistema de ônibus espaciais norte-americanos. Seu primeiro lançamento era previsto para 2017, mas foi adiado diversas vezes — inflando astronomicamente seu orçamento — e agora tem a estreia prevista para novembro de 2021.

O primeiro teste do SLS tinha como objetivo avaliar o desempenho de seus quatro motores durante o período de aproximadamente 8 minutos. Contudo, o teste foi interrompido com segurança pouco depois dos 60 segundos, após a detectação de uma "falha grave de componente" no quarto motor, seguida de um breve clarão. Segundo a NASA, a interrupção do teste foi automática, imediata, segura e feita pelo próprio sistema de bordo do veículo.

Foguete SLS é capaz de suportar diferentes combinações e levar até 46 toneladas de carga para o espaço. (Fonte: NASA / Reprodução)Foguete SLS é capaz de suportar diferentes combinações e levar até 46 toneladas de carga para o espaço. (Fonte: NASA / Reprodução)Fonte:  NASA 

Os pesquisadores esperavam pelo menos cerca de 4 minutos de testagem, a fim de obter os dados necessários, contudo eles acreditam que o teste do último sábado (16) trouxe informações suficientes para melhorar o desempenho do veículo lançador. Durante o período avaliado, cerca de 1400 sensores monitoraram diversos aspectos do SLS, como o estresse dos componentes, temperatura, vibração e acústica.

O administrador da NASA, Jim Bridenstine, comenta o caso: "Acho que pode ser algo facilmente consertável e podemos nos sentir confiantes em descer para o Cabo e cumprir o cronograma".