CoronaVac: Anvisa emite nota sobre uso da vacina sem autorização

1 min de leitura
Imagem de: CoronaVac: Anvisa emite nota sobre uso da vacina sem autorização
Imagem: Amanda Perobelli/Reuters
Avatar do autor

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se manifestou oficialmente ontem (26), em uma nota de esclarecimento publicada em seu site, a respeito da declaração do governador de São Paulo João Dória. Nesta, o político falou sobre a possibilidade de aplicação da vacina CoronaVac mesmo sem o registro da agência brasileira — desde que o medicamento fosse aprovado em outros países.

Segundo a agência reguladora, o registro da vacina tem como objetivo o cumprimento dos requisitos técnicos necessários à fabricação e ao uso do imunizante em larga escala. Na nota, a Anvisa esclarece que, “mesmo após o registro em algum outro país”, a avaliação do órgão é necessária para verificar pontos não avaliados por outras agências internacionais.

Sobre os pontos que analisará, a Anvisa cita: eficácia e segurança da vacina em brasileiros, condições técnica-operacionais da fábrica que virá para o Brasil, prazos de validade e condições de preservação da vacina no clima brasileiro, além de medidas de acompanhamento e tratamento de eventuais efeitos colaterais do medicamento.

A tréplica do governador

Em resposta às afirmações do governador Dória durante entrevista ao jornal Metrópoles, a Anvisa afirmou que, como ainda não há material disponível para a avaliação de eficácia e segurança da CoronaVac, esse não seria o momento apropriado para discutir essa questão.

Após a divulgação da nota da Anvisa, o governador João Dória usou sua conta no Twitter à noite para dizer que "há confusão em relação à minha declaração sobre a validação da CoronaVac junto à Anvisa. Existe diferença entre validar uma vacina fora do país e autorizar sua aplicação em território nacional".

A Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo também se manifestou em nota "que a vacina CoronaVac só será disponibilizada para a aplicação na população após a autorização da Anvisa”.