Nova vacina contra covid-19 da Moderna é 94,5% eficaz

2 min de leitura
Imagem de: Nova vacina contra covid-19 da Moderna é 94,5% eficaz
Imagem: Pexels
Avatar do autor

A farmacêutica norte-americana Moderna afirmou, nesta segunda-feira (16), que sua vacina contra o novo coronavírus é 94,5% eficaz. No anúncio, feito em um comunicado à imprensa, foram explicados detalhes sobre a Fase 3 da pesquisa, que contou com a participação de 30 mil pessoas nos Estados Unidos.

Uma análise dos dados revelou que entre 95 participantes com diagnóstico positivo para covid-19, apenas 5 foram imunizados com a vacina, chamada de mRNA-1273, enquanto o restante recebeu doses de placebo.

Em outro cenário, a análise de um grupo de 11 participantes com casos mais severos da doença, os quais estavam no grupo que recebeu as doses falsas, indicou preliminarmente que nenhum participante vacinado adoeceu ou teve seu quadro de saúde severamente agravado.

As descobertas preliminares da Fase 3 provém as primeiras indicações de que a vacina é segura e eficaz. (Fonte: Pexels)As descobertas preliminares da Fase 3 revelam as primeiras indicações de que a vacina é segura e eficaz. (Fonte: Pexels)Fonte:  Pexels 

Urgência para a vacina

A CEO da Moderna, Stéphane Bancel, comentou que as descobertas formam um "momento pivô", reforçando que cada dia de pesquisa é fundamental. O comunicado da empresa é animador, principalmente quando comparado aos recentes resultados da vacina da Pfizer, a BNT162b2, que apresentou 90% de eficácia, mas é mais volátil e necessita de cuidados especiais de armazenamento e transporte. A mRNA-1273, por sua vez, pode ser armazenada por até 30 dias em um refrigerador doméstico comum.

A empresa espera fabricar 20 milhões de doses da vacina ainda em 2020 para os Estados Unidos, com previsão de produzir entre 500 milhões e 1 bilhão de doses em 2021 para todo o mundo.

A Moderna busca aprovação da Food and Drug Administration (FDA), a agência federal do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, para liberar o uso emergencial da vacina nas próximas semanas em razão da atual situação do país na pandemia — que registrou 180 mil novos casos apenas na última sexta-feira.

Um passo de cada vez

Questões relacionadas à durabilidade da imunização, à sua segurança, às exigências do órgão regulador norte-americano e à produção e distribuição das centenas de milhares – senão bilhões – de doses necessárias devem ser respondidas. Além disso, aponta Ruth Karron, que dirige o Centro de Pesquisa de Imunização da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, deve-se descobrir se a vacina contra covid-19 em questão previne infecções ou somente as ameniza. Mesmo com as incertezas, ela não deixa de se impressionar: "É fantástico! Incrível!"

Para chegar até aqui, sendo uma das pioneiras da tecnologia mRNA, que possibilita a modificação do vírus para a indução da imunidade, a Moderna recebeu do governo dos Estados Unidos ao menos US$ 2,5 bilhões, tendo vendido a ele 100 milhões de doses. Caso tudo dê certo, com a análise adequada da documentação, é possível que, até o fim de 2020, 20 milhões sejam distribuídas pelo território. Em 2021, podem chegar de 500 milhões a 1 bilhão. Ainda assim, a empresa se mantém com os pés no chão.

"Não temos uma capacidade de produção desse porte. Por isso, a estamos aumentando cada vez mais. Todos os nossos principais engenheiros participam de nossos esforços", disse Stéphane Bancel, CEO da Moderna, que salienta não ser possível dedicar equipes para outros locais do mundo.

Por fim, a nova vacina contra covid-19 terá de ser armazenada a 20 °C negativos e contém 100 microgramas de mRNA, enquanto a da Pfizer possui 30 nicrogramas e exige 70 °C negativos.

Fontes

Nova vacina contra covid-19 da Moderna é 94,5% eficaz