Oumuamua pode ser um gigantesco charuto de poeira

2 min de leitura
Imagem de: Oumuamua pode ser um gigantesco charuto de poeira
Imagem: NASA/JPL-Caltech
Avatar do autor

Como nosso primeiro visitante interestelar, o Oumuamua (“batedor”, em havaiano) chegou ao sistema solar levantando uma imensa onda de especulações sobre sua origem. Agora, a teoria da vez diz que ele é um gigantesco “coelhinho" de poeira cósmica (tipo aquelas bolas de pó que rolam sobre os móveis), segundo um estudo publicado recentemente no The Astrophysical Journal Letters. 

Segundo a astrônoma Jane Luu, da Universidade de Oslo e líder da pesquisa, a origem dessa estranha rocha espacial interestelar seria um cometa de "longo período" (assim chamado porque leva muito tempo para circundar as estrelas e se afastar delas), viajando fora de nosso sistema solar.

.  ESA/Hubble/NASA/ESO/M. Kornmesser 

Quando foi ejetado, um grande pedaço de rocha agregou em torno de si a poeira e as partículas de gás que escaparam para longe do núcleo do cometa. Conforme o Oumuamua crescia, o gás empurrava a rocha para o espaço por conta da radiação solar. 

De ETs a hidrogênio sólido

O Oumuamua foi avistado pela primeira vez em outubro de 2017, e logo todos os telescópios do planeta se voltaram para a estranha rocha alongada, que viajava pelo espaço a uma velocidade bizarramente incomum: 92 mil km/h.

Se uma das primeiras teorias dizia que ele deveria ser formado de hidrogênio sólido (à medida que ele foi se aproximando do Sol transformou-se em gás — impulsionamento do charuto de rocha), logo surgiram outras, as quais afirmavam que o Oumuamua tinha a forma de um disco (disso para ele ser uma sonda alienígena foi "um pulo") ou mesmo era restos de um grande planeta.

O que se sabe hoje sobre ele?

  • Ele veio de fora do sistema solar e, segundo astrônomos da NASA, o objeto já entrou nele em alta velocidade, não sofrendo ação da gravidade de nenhum planeta ou do Sol.
  • Ele segue uma trajetória hiperbólica (e bizarra), ou seja, sairá do sistema solar e nunca mais voltará.

  • Ele não se parece em nada com um cometa, mas se comporta como tal. O Oumuamua apareceu nas imagens de telescópios como um único ponto de luz – se primeiro pensaram que ele era um cometa, depois passaram a classificá-lo como um asteroide. 
  • Ele acelerou espaço afora. Isso seria explicado pela liberação de gás estelar em sua superfície quando apenas a gravidade de nosso sistema solar é levada em consideração.
  • Sua forma alongada foi determinada pela variação de seu brilho. Ele deve ter cerca de 800 metros de comprimento e 80 metros de largura (uma forma jamais vista).
.  NASA/JPL-Caltech 
  • Ele gira em dois eixos, completando uma rotação a cada 7,3 horas, enquanto rola pelo espaço.

O que ainda é um mistério?

  • Sua aparência permanecerá uma incógnita. A única imagem que se tem do Oumuamua é a que mostra um minúsculo ponto de luz. Dessa forma, só foi possível deduzir que ele é alongado, mais nada.
.  NASA/JPL-Caltech 
  • Do que ele é feito é outra pergunta que ficará sem resposta. Pode haver gases como monóxido ou dióxido de carbono sendo ejetado e formando uma cauda, mas tudo permanece como especulação.
  • Sobre de onde ele veio, há uma "meia resposta": de outro sistema estelar na galáxia. Mas qual? Com base em sua velocidade, imagina-se que o Oumuamua pode ter vindo de um sistema com uma estrela jovem ou pode estar vagando pela galáxia há bilhões de anos, e como saber?
  • Onde ele está é apenas uma projeção. Em janeiro de 2018, tornou-se invisível aos telescópios, mesmo os espaciais. Agora, o futuro do Oumuamua no espaço somente a ele pertence.

Oumuamua pode ser um gigantesco charuto de poeira