NASA detalha comportamento nunca observado do asteroide Bennu

1 min de leitura
Imagem de: NASA detalha comportamento nunca observado do asteroide Bennu
Imagem: NASA/Reprodução
Avatar do autor

Nesta quarta-feira (9), a NASA revelou ter feito uma importante descoberta a respeito do asteroide Bennu, relatada pela equipe científica da missão OSIRIS-REx. Conforme os pesquisadores, o corpo celeste está descartando material regularmente, lançando partículas, rochas e outros pedaços de si mesmo.

O comportamento, observado pela primeira vez desde que a sonda foi lançada, em 2016, deu aos cientistas uma visão sem precedentes de uma rocha espacial, enquanto ela se desloca pelo espaço. A novidade foi descrita em uma série de artigos publicados no Journal of Geophysical Research: Planets.

Essas partículas em fuga do Bennu (a animação abaixo mostra algumas delas acontecendo) foram descobertas quase sem querer pelo astrônomo chefe da missão Carl Hergenrorther. Ao observar as imagens das constelações feitas pela sonda, ele notou a presença do que pareciam ser centenas de estrelas extras. Intrigado, fez uma inspeção mais detalhada com uma ajuda da tecnologia e desvendou o mistério: não eram estrelas e sim pedaços do asteroide se soltando.

Na verdade, a agência espacial americana já observou e rastreou mais de 300 eventos de ejeção de materiais do corpo celeste como este mais recente, desde a chegada da OSIRIS-REx ao “asteroide do fim do mundo”. Porém, os cientistas não sabiam do que se tratava, só descobrindo agora.

Partículas minúsculas impediam a descoberta

A razão pela qual a NASA ainda não havia notado essa desintegração do Bennu é o tamanho diminuto da maioria dos fragmentos que escapam dele, dificultando a sua observação a partir da Terra. Enquanto algumas partículas escapam para o espaço, outras orbitam a rocha e a maioria cai de volta nela.

“Para se ter uma ideia, todas as 200 partículas que observamos durante o primeiro evento após a chegada não caberiam em um ladrilho de 10 x 10 cm”, comparou Hergenrorther.

Ele acredita que impactos de meteoroides e rachaduras por estresse térmico durante a sua rotação (o asteroide esquenta durante o dia e esfria à noite) são as principais causas do fenômeno.

NASA detalha comportamento nunca observado do asteroide Bennu