Energia escura: estudo revela história e taxa de expansão do Universo

1 min de leitura
Imagem de: Energia escura: estudo revela história e taxa de expansão do Universo
Imagem: YouTube/Reprodução
Avatar do autor

Cientistas do Observatório de Apache Point, nos Estados Unidos, elaboraram um mapa tridimensional que fornece mais detalhes sobre energia escura, um dos maiores mistérios da ciência. Denominado The Extended Baryon Oscillation Spectroscopic Survey (eBOSS), o trabalho foi desenvolvido através de dados do telescópio Sloan Digital Sky Survey e revela a história e a taxa de expansão do Universo desde quando ele tinha menos de 3 bilhões de anos.

Os resultados mostram que 69% de sua energia são do tipo escura, enquanto o fenômeno indica a constante cosmológica, proposta por Albert Einstein — resultado da forma mais simples de energia do espaço vazio —, que estaria alinhada ao processo acelerado de crescimento do Cosmos.

O trabalho também se concentra na observação de mais de 2 milhões de galáxias e quasares ao longo de 2 décadas, em uma gama de distâncias inexploradas por outros modelos. Nesse sentido, afirma que atualmente a única maneira de sentir a presença da energia escura é através de observações do Universo por telescópios.

Distribuição de galáxias e quasares desde o início do universo e sua relação com energia escuraDistribuição de galáxias e quasares desde o início do Universo e sua relação com energia escura.Fonte:  Sloan Digital Sky Survey/Reprodução 

Outro ponto destacado é quanto à geometria do espaço, que apresenta uma forma plana, ao contrário de recentes estudos baseados em radiação cósmica que sugeriam o formato curvo de sua geometria — e consistente com a teoria mais relevante sobre o Big Bang.

Por meio do estudo, é possível medir diferentes distâncias no espaço e descobrir a rapidez da expansão do Universo nos últimos 11 bilhões de anos. Vale informar que a teoria para análise desse caso se pauta na ideia de que as galáxias mais distantes são mais jovens, pois a emissão de sua luz levou milhões ou até bilhões de anos para chegar aos aparelhos.

Os pesquisadores também destacam a importância de uma nova geração de telescópios para explorar, em alta resolução, o mesmo período em muitas outras galáxias.

Energia escura: estudo revela história e taxa de expansão do Universo