Confirmado: Universo tem idade estabelecida em 13,8 bilhões de anos

3 min de leitura
Imagem de: Confirmado: Universo tem idade estabelecida em 13,8 bilhões de anos
Imagem: New Scientist / Science Photo Library / Nicolle R. Fuller / Reprodução - https://www.newscientist.com/article/2248922-we-dont-know-how-fast-the-universe-is-expanding-and-thats-a-problem/
Avatar do autor

Pesquisadores da Universidade Stony Brooks, nos EUA, conseguiram determinar a idade do cosmos depois de medir os vestígios mais antigos de luz já detectados. E de quantos “aninhos” estamos falando? Como você viu no título, são por volta de 13,8 bilhões, mas o mais importante dessa história toda é que essa definição tem implicações para a Astrofísica e está gerando debates na comunidade científica, uma vez que estudos anteriores haviam estabelecido uma idade centenas de milhões de anos a mais para o cosmos.

Velhinho, mas nem tanto

Se você se interessa por astrofísica, a cifra dos 13,8 bilhões de anos provavelmente não seja uma grande novidade. Entretanto, faz algum tempo que existe uma polêmica envolvendo a idade do Universo, uma vez que, nos últimos anos, alguns estudos apontaram que ele poderia ser várias centenas de milhões de anos mais jovem do que o calculado. Portanto, era esperado que o novo anúncio reativasse o debate sobre o assunto.

Milhões a mais ou a menosMilhões a mais ou a menosFonte:  Mega Interesting / Reprodução 

A estimativa apresentada pelos pesquisadores da Stony Brooks foi feita com base em observações realizadas pelo Atacama Cosmology Telescope (ACT), situado no Chile, que permitiram ao time analisar a mais antiga luz do Universo, conhecida como radiação cósmica de fundo em micro-ondas. Essa radiação eletromagnética marca o momento em que prótons e elétrons se uniram para formar os primeiros átomos após o Big Bang e, sendo assim, serve de referência para que os cientistas possam calcular quando o nascimento do Universo se deu.

No caso do estudo da Stony Brooks, os físicos da instituição pegaram as observações do ACT e trabalharam mais ou menos como restauradores de fotos. Segundo explicou um dos membros do time, os cientistas “limparam” a imagem e eliminaram distorções no tecido espaço-tempo oriundas da passagem dos milênios para reconstruir o cenário original do momento em que os primeiros átomos surgiram.

A partir daí, foi confirmado que a idade do cosmos é a mesma que a determinada por um grupo de astrofísicos cuja estimativa foi realizada com base em um levantamento incrivelmente detalhado feito com dados compilados pelo observatório espacial Planck, da Agência Espacial Europeia.

Os demais estudos – que haviam sugerido que o Universo poderia ser mais jovem do que se pensava – levaram em consideração a medição do movimento das galáxias para descobrir com qual velocidade o cosmos está se expandindo exatamente, e o resultado ao qual se chegou  apontou que ele teria cerca de 380 milhões de anos menos do que o previsto.

Discrepâncias

E por que essas informações são tão importantes – a ponto de originar contendas na comunidade científica? Quanto mais os pesquisadores souberem sobre o nascimento do Universo, melhor eles poderão compreender a sua geometria, como se deu a sua evolução e como tudo o que existe nele, incluindo o nosso planeta e os seres vivos que existem aqui, surgiu. Além disso, esse conhecimento pode permitir que os cientistas possam fazer previsões mais acertadas sobre quando e como o cosmos “morrerá”.

Problemas no modelo cosmológico?Problemas no modelo cosmológico?Fonte:  ESA / Hubble / Representação 

Ademais, a discrepância entre os resultados obtidos a partir da análise da radiação cósmica de fundo e do movimento das galáxias tem impacto sobre o entendimento da velocidade com a qual o Universo está se expandindo, definida pela constante de Hubble. Nesse sentido, os levantamentos realizados com os dados do ACT e o do Planck (mais ou menos) coincidem, apresentando um índice de variação de 0,3% entre si. O problema é que nenhum dos 2 bate com os estudos que medem a taxa de distanciamento das galáxias – prevendo um valor por volta de 10% inferior.

A dificuldade com esses resultados é que os levantamentos são bastante sólidos e foram conduzidos com um cuidado imenso e, portanto, o fato de diferentes grupos de cientistas terem encontrado inconsistências sugere que pode haver algo errado com o modelo cosmológico padrão.

Confirmado: Universo tem idade estabelecida em 13,8 bilhões de anos