As principais descobertas arqueológicas de 2019

4 min de leitura
Imagem de: As principais descobertas arqueológicas de 2019
Avatar do autor

A evolução humana não é simplesmente um processo de avançar, pois há muito tempo aprendemos que para crescer, é essencial olhar para trás. Por isso os arqueólogos, todos os anos, revelam mais e mais sobre o nosso passado com as revelações arqueológicas.

Confira abaixo as 7 descobertas arqueológicas mais incríveis de 2019:

7. O caixão do rei Tutankhamon

Créditos: Reprodução/All That Interesting????

Desde a sua criação no Egito antigo, há 3.300 anos, até o início deste ano, o caixão mais externo do rei Tutankhamon nunca havia deixado seu túmulo. Segundo o Los Angeles Times, o Getty Conservation Institute e o Ministério Egípcio de Antiguidades terminaram a restauração de uma década do túmulo no início deste ano. O próximo objetivo era restaurar o caixão externo de Tutankhamon e, como os limites da tumba do velho faraó tornariam tal tentativa quase impossível, foi tomada a decisão de movê-lo. Até esse momento, o caixão nunca havia visto a luz do dia. Os arqueólogos esperam que o caixão externo esteja pronto para a exibição no Grande Museu Egípcio em 2020.

6. A escultura de pênis de 1.800 anos

Com as novas tecnologias, muitos estudiosos passaram a fazer uma revisão do passado com suas descobertas arqueológicas. Nesse caso, os arqueólogos viram uma pedreira de 10 metros de comprimento por uma corda para escanear a Muralha de Adriano com lasers. Isso criou modelos digitais tridimensionais detalhados das esculturas contidas nele, incluindo o pênis de 1.800 anos. O pênis, por si só, era um símbolo comum de boa sorte para os romanos na época. A Historic England em parceria com pesquisadores da Universidade de Newcastle se uniram para fazer um mapeamento das antigas fortificações romanas no nordeste da Inglaterra com novas revelações arqueológicas. Os pesquisadores planejam exibir as digitalizações ao público quando o trabalho estiver concluído.

5.  “Túneis do Tesouro” em Israel

Créditos: Divulgação/Wikimedia Commons???

Essa é sem dúvida uma das principais marcas arqueológicas de 2019. Pesquisadores descobriram uma rede de túneis de 800 anos escondidos sob a cidade israelense de Acre, que pode ter sido construída pelos Cavaleiros Templários. Essa ordem lendária dos monges guerreiros católicos possivelmente usou os túneis como uma rota secreta para uma torre do tesouro próxima. A ordem desses "soldados cruzados de Deus" foi dissolvida pelo papa Clemente V em 1312, após o conflito entre os cavaleiros e o rei Filipe IV da França.

4. Restos mortais da fome irlandesa

Créditos: Divulgação/Radio Canada

Os ossos de três crianças chegaram à praia de Cap-des-Rosiers, no Canadá, após uma tempestade em 2011. Os restos de outras 18 pessoas surgiram em 2016. Após uma análise rigorosa de seus ossos, os pesquisadores descobriram que pertenciam às vítimas da fome irlandesa de 1847.

Eles acreditam que essas mulheres e crianças podem ter sido vítimas do naufrágio de Carricks, que carregava famílias irlandesas famintas do Condado de Sligo, na Irlanda, para o Canadá. O navio transportava 180 emigrantes com destino a Porto de Quebec, quando afundou perto de Cap-des-Rosiers em 28 de abril de 1847. Apenas 48 pessoas sobreviveram. Segundo o Yahoo News, os ossos estavam à deriva há 160 anos na água do mar, mas ainda mostravam sinais definitivos de desnutrição e uma dieta rica em batatas.

3. O perfume da Cleópatra

O Egito sempre esteve no centor das descobertas arqueológicas. O projeto de escavação na cidade egípcia de Thmuis, fundada em 4500 aC, rendeu descobertas inestimáveis aos pesquisadores Robert Littman e Jay Silverstein, da Universidade do Havaí em Manoa. Lar das instalações de produção de dois dos perfumes mais populares do mundo antigo, Mendesiano e Metópico, os arqueólogos do local descobriram fornos que datam do século III a.C. As descobertas incluíram um resíduo de 2.000 anos dos ingredientes que esses artesãos antigos usavam para fazer perfume - potencialmente até o usado por Cleópatra. Após análises, os pesquisadores descobriram que eles usavam azeite, canela, cardamomo e uma base de mirra, uma resina originária de uma árvore nativa do Chifre da África e da Península Arábica. O próprio Littman apelidou de "o Chanel nº 5 do Egito antigo".

2. O maior sacrifício infantil em massa do mundo descoberto no Peru

Créditos: Divulgação/AFP

Em agosto de 2019, arqueólogos peruanos descobriram o maior sacrifício em massa de crianças da história através de evidências arqueológicas. O local continha os restos mortais de 227 vítimas e foi encontrado ao norte de Lima, na cidade costeira de Huanchaco. Segundo a BBC News, as mortes ocorreram em algum momento antes dos anos 1500 e seus corpos voltados para o oceano, os pesquisadores teorizaram que eles morreram como oferendas aos deuses adorados pelo povo Chimú da região. Este grupo era um dos mais fortes e independentes da época.

1. Fósseis de preguiça de 13.000 pés encontrados em Belize

Créditos: Divulgação/Universidade de Illinois

Em 2014, mergulhadores em um poço em Clara Blanca, Belize, encontraram fósseis de 27.000 anos de uma preguiça gigante. De acordo com a Fox News, um fragmento de dente de dez centímetros levou pesquisadores da Universidade de Illinois a obter pistas ??sobre o animal neste ano. Com as descobertas arqueológicas, os pesquisadores estimam que a preguiça pesasse mais de 6 toneladas, com quase 4 metros de altura e 6 metros de comprimento.

As principais descobertas arqueológicas de 2019 via Mega Curioso

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
As principais descobertas arqueológicas de 2019