Pesquisadores constroem bioprocessador dual-core em célula humana

1 min de leitura
Imagem de: Pesquisadores constroem bioprocessador dual-core em célula humana
Avatar do autor

Recentemente, pesquisadores do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, na Suíça, fizeram uma descoberta capaz de oferecer grande ajuda na construção de biocomputadores: a criação de um bioprocessador dual-core em célula humana.

Segundo informações divulgadas pela equipe responsável pelo projeto, esse biocomputador se baseia em uma técnica de edição genética conhecida como CRISPR-Cas9, que conta com núcleos processadores que podem ser reprogramados.

De acordo com as explicações dos cientistas, o uso de células humanas auxilia no que diz respeito a tirar proveito da “capacidade computacional” metabólica, já que elas podem processar até 100 mil moléculas metabólicas diferentes e cada uma funciona como uma entrada para o processador.

Como tudo funciona?

Para gerar o poder necessário, uma variante especial da proteína Cas9 fica responsável por formar o núcleo do processador. A CPU é capaz de regular a expressão de um gene em específico utilizando como resposta a entrada fornecida pela sequência de RNA guia, e com esse processo é possível a programação de circuitos escalonáveis nas células humanas, sem a necessidade de desenvolver um processador para cada tarefa.

Graças a esses passos, o time foi capaz de usar componentes CRISPR-Cas9 de duas bactérias diferentes para criar um processador biológico dual-core semelhante ao que vemos no mundo dos equipamentos eletrônicos.

“Imagine um microtecido com bilhões de células, cada uma equipada com seu próprio processador dual-core. Esses ‘órgãos computacionais’ poderiam, teoricamente, alcançar um poder de computação que ultrapassa em muito o de um supercomputador digital — e usando apenas uma fração de energia”, explicou o professor Martin Fussenegger, um dos responsáveis por esse projeto.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Pesquisadores constroem bioprocessador dual-core em célula humana