A Virgin Galactic mandou sua nave para o espaço pela segunda vez, agora com o objetivo de qualificar a tripulação para que se tornem astronautas — uma dessas pessoas é Beth Moses, a primeira passageira de testes da Virgin Galactic e diretora de instrução dos astronautas. O avião espacial VSS Unity foi designado para levar passageiros aos limites do espaço para que possam viver a sensação de "gravidade zero" por alguns instantes.
Em dezembro de 2018, a Virgin Galactic entrou para a história ao enviar o VSS Unity a mais de 80 quilômetros de altura, no que muitos consideram o começo do espaço. Para quem concorda com essa definição, foi a primeira vez que os EUA mandaram pessoas ao espaço desde 2011. Como resultado, os dois pilotos do voo receberam premiações pelo feito.
Eis que a empresa mostrou que é capaz de repetir a ação com o teste realizado na Califórnia nesta semana. O VSS Unity alcançou uma altitude de 45 mil pés acoplado à estrutura da aeronave WhiteKnightTwo, que a liberou no ar. Os dois pilotos da vez, Dave Mackay e Mike "Sooch" Masucci, deram partida no motor do avião espacial e chegaram à altura de 89,9 quilômetros, a maior que o veículo já alcançou. Durante o teste, a aceleração alcançada foi equivalente ao triplo da velocidade do som.
A grande novidade foi a nave carregar três pessoas ao invés de apenas duas. Beth Moses até saiu de seu assento para compreender melhor a experiência do voo para quem fica na parte de trás do avião espacial. Ela será responsável por preparar os futuros passageiros sobre o que deverão esperar nos voos, e a experiência realizada com certeza trouxe informações importantes.
Os próximos planos da Virgin Galactic incluem realizar outros testes desse tipo ao longo do ano. A empresa deverá se mudar para uma nova localização no México para continuar desenvolvendo voos comerciais; uma data ainda não foi estabelecida, mas Richard Branson, fundador da empresa, espera poder voar na VSS Unity por volta de julho.