Você se lembra do advogado robô que ajudou norte-americanos e britânicos a contestar mais de 160 mil multas? Ao que parece, o serviço evoluiu consideravelmente no último ano – já chegando à marca de 375 mil multas contestadas – e agora pode beneficiar ainda mais pessoas nos EUA. O objetivo final do criador do chatbot, no entanto, é mais ousado do que dar uma mãozinha em infrações de trânsito indevidas: ele quer tornar o Direito algo ao alcance de todos.

Com o robozinho tendo sua atuação expandida para todos os estados dos EUA, o autor do projeto, Joshua Browder, foi questionado se ele achava que o produto traria problemas com o governo. Na opinião do estudante da Universidade de Stanford, os órgãos governamentais podem, na verdade, se beneficiar de sua criação, reduzindo custos e agilizando processos que se arrastar por meses ou anos em escritórios e tribunais.

Tire as suas dúvidas pela web

Estou empolgado para tornar a lei gratuita

O verdadeiro adversário, para ele, são os advogados. “A indústria legal movimenta mais de US$ 200 bilhões (R$ 638,5 bilhões), mas eu estou empolgado para tornar a lei gratuita”, explica Browder, reconhecendo que “algumas das grandes firmas de advocacia não devem ficar contentes” com essa sua empreitada. Essa vindoura fúria, no entanto, não parece intimidar o rapaz, que afirma que o DoNotPay é um aliado poderoso para todos – já que ele gera documentos e petições perfeitamente dentro das regras e leis.

Além disso, como o chatbot foi construído de forma colaborativa, ele foi adaptado às particularidades legais de cada local e entende perfeitamente a linguagem natural dos usuários. Isso significa que, mesmo se você usar a plataforma para fazer perguntas como “Acho que eu recebi uma multa equivocada” ou “Como justificar uma parada de emergência em um local proibido”, ela oferece soluções reais para o problema. Caso sua questão esteja fora do alcance do programa, ele direciona você para uma boa e velha busca no Google.

E aí, você gostaria de ter um serviço como esses funcionando por aqui? Acha que o produto daria certo ou seria proibido pelo governo? Deixe a sua opinião mais abaixo, na seção de comentários.

Cupons de desconto TecMundo: