Vamos combinar: é difícil pra caramba se destacar em um evento como o Salão de Paris. São Ferraris conversíveis, Hondas cabulosíssimos, coreanos com visual matador e os donos da casa que também não deixam barato.

O que sobra? Bem, o que sobra é você fazer como a pequenina montadora japonesa GLM, fundada pelo ex-CEO da Sony, fez: pega um design não utilizado de um carro holandês que deveria utilizar um barulhento motor V8 norte-americano e adapta um sistema de propulsão elétrica nele.

É disso que se trata o GLM G4: considerado a joia perdida do Paris Motor Show deste ano, o carro foi desenhado na Holanda por uma empresa chamada Savage Rivale e deveria receber um autêntico motor americano, mas o projeto nunca chegou a sair do papel. Isso até os japoneses resolverem fazer a coisa acontecer.

O G4 tem tudo que um esportivo precisa: quatro portas que abrem no estilo asa de gaivota, uma pintura azul bem chamativa, um design bem arrojado e dois motores elétricos que juntos produzem cerca de 540 cavalos de potência e entregam 102 kgfm de torque.

O veículo é capaz de percorrer até 420 quilômetros com uma carga, acelerar de 0 a 100 em menos de 3,6 segundos e atingir uma velocidade máxima de 250 km/h. Nada mal, não?

Os desenvolvedores do carro acreditam que existe um mercado para supercarros de quatro portas e quatro lugares e, por isso, o GLM G4 pode se tornar uma realidade muito em breve. A empresa, na verdade, já planeja colocá-lo em produção no Japão e começar a vendê-lo por lá, além de levá-lo para Singapura e Hong Kong.

Outros lugares não estão fora da mira da GLM, principalmente os Estados Unidos, que deverá ser o primeiro país a receber um lote do G4 fora da região da Ásia.

Ainda assim, isso não significa que ele será um carro barato: o valor estimado é de US$ 224 mil, ou R$ 720 mil sem impostos e tudo mais