Ataques hackers estão se tornando uma constante em nossos dias. Como se não bastasse a invasão aos servidores da Sony Pictures, ato que ainda rende frutos negativos para a companhia, também podemos mencionar a investida sofrida pelos serviços online do PlayStation e do Xbox que foram derrubados no natal passado.

Além disso, como se esquecer da invasão de contas do serviço de armazenamento na nuvem da Apple, o iCloud, que resultou no vazamento de inúmeras fotos íntimas de celebridades. Esses episódios mostram como os atacantes agem e geralmente revelam quais são os meios utilizados para conseguir o que querem. Mas nem sempre é assim...

Filmes, seriados e até jogos que exploram essa temática podem acabar exagerando um pouquinho na dose de ficção científica. Neste artigo, traremos algumas cenas que ilustram bem o que estamos falando e mostram como o universo hacker não funciona. Deixamos claro que sabemos que nem sempre as produções pretendem retratar a realidade. Mas se estivesse tentando, teriam falhado miseravelmente.

1. Watch Dogs e o controle total de uma cidade

Quando pensamos em jogos e hackers, não há como não se lembrar de Watch Dogs, game desenvolvido pela Ubisoft Montreal e lançado em maio de 2014. O título colocou os jogadores no controle de um habilidoso hacker e expert quando o assunto é a invasão de sistemas, sendo capaz de tomar conta de todo o sistema que controla a fictícia cidade de Chicago, o ctOS (sigla para “Central Operating System”).

O aspecto “impossível” do game, na verdade, não se dá tanto pelas habilidades de Aiden Pearce para explorar cada brecha do sistema. Apesar de ele conseguir explodir quase tudo à distância, usar todas as câmeras existentes, ligar/desligar todos os mecanismos de trânsito da cidade, ver informações pessoais em tempo real de qualquer pessoa e burlar qualquer tipo de mecanismo de proteção existente, tudo isso é “possível” com algum esforço dos envolvidos.

O que torna inviável praticar tudo o que acontece em Watch Dogs aqui na vida real é a inexistência de um sistema integrado que consiga explorar cada aspecto da cidade. Como explicamos em uma antiga matéria sobre a possibilidade de hacker uma cidade inteira, nem mesmo as centrais de distribuição de energia dependem exclusivamente de sistemas computadorizados. Portanto, não adianta sair por aí com seu smartphone tentando apagar os postes, acionar os semáforos e fazer sair dinheiro do caixa eletrônico.

2. Mulher Nota 1000 (título em português para Weird Science)

A sinopse do filme já é suficiente para alguns torcerem o nariz para a produção de 1985: “Gary Wallace e Wyatt Donnelly são dois adolescentes nada populares com o sexo oposto. Eles resolvem criar no computador de Wyatt a mulher que eles acreditam ser a ideal. Uma tempestade dá vida a ela, que é "batizada" como Lisa, que é sexy, bonita, determinada, desejada por todos, fiel aos seus criadores, mas com um modo de ser que deixa todos que cruzam o seu caminho desconcertados”.

É isso mesmo que você leu: dois nerds com muita testosterona e bastante “conhecimento hacker” foram capazes de, com a ajuda de uma tempestade, transformar uma boneca Barbie em uma bela mulher. Nem é preciso argumentar quais são as falhas de conceito aplicadas aqui, mas é bom lembrar que este é apenas um filme. O trailer a seguir foi produzido pelo canal TCMBrasil.

3. Hackeando no espaço com Independece Day

Apesar de a própria existência de alienígenas ser uma questão discutível, o que acontece em determinada parte do filme Independence Day, produção de 1996, levanta ainda mais dúvidas sobre a possibilidade de a ficção ser realidade (não que esse seja o objetivo do filme).

David Levinson, interpretado pelo ator Jeff Goldblum, havia conseguido prever o plano de ataque dos alienígenas à terra quando tentava restabelecer uma conexão com um satélite. Além disso, no final do filme, ele teve a ideia brilhante de infectar a nave mãe dos extraterrestres com um vírus que foi capaz de destruir totalmente o sistema de defesa do inimigo. Como Levinson conseguiu isso em seu Mac ainda permanece um mistério (não por causa do Mac, é lógico). A paródia a seguir foi produzida pelo canal RevolutionNGN.

4. Jurassic Park – “It's a UNIX system! I know this!”

A clássica cena de Jurrasic Park nos ensina que todas as moças jovens deveriam saber reconhecer o sistema UNIX e é ai que reside o seu erro. Mais uma vez, o “pecado” nesse filme não é a possibilidade de existir alguma coisa ou não (no caso, os dinossauros), mas sim a forma como o conceito de “hack” é apresentado.

O fsn, sigla para File System Navigator (Navegador do Sistema de Arquivos), é uma aplicação experimental para tentar enxergar o complexo sistema de arquivos do PC como se fosse uma construção 3D. Não precisou, mas será que alguém poderia explicar como a moça soube reconhecer o programa e ainda fechar a porta para que o velociraptor não devorasse a ela e toda a sua família?

5. Hackers e a cidade do sistema de arquivos

Novamente, parece que o problema foi tentar “animar” a forma como o sistema de arquivos funciona. Além da apresentação estereotipada de programadores (que não resulta em problema nenhum para o propósito do artigo), os ataques hackers envolviam a visualização de “cidades” 3D que nada tem a ver com a verdadeira prática.

É lógico que, naquela época (1995), todos esses conceitos eram relativamente novos, e muita gente não sabia ao certo como as coisas realmente funcionavam. Porém, se hoje alguém imagina que o ato de hackear é passear entre prédios 3D e vias por onde trafegam os dados, é tudo culpa de filmes como esse.

6. NCIS: duas cabeças pensam melhor do que uma

Aqui não há discussão sobre os conceitos hackers apresentados – apesar de haver falhas também. Porém, o que se discute é a ação providenciada pelos dois atores do seriado para combater a ameaça que está invadindo os computadores que eles estão usando.

Por mais que você nunca tenha usado um computador na sua vida e apenas tenha visto outros mexerem nessas máquinas, ainda assim é possível enxergar essa cena com certa incredulidade. O título do vídeo no YouTube ilustra bem o que queremos dizer: "2 IDIOTS 1 KEYBOARD" (2 idiotas 1 teclado). É realmente difícil pensar que alguém fosse ter essa brilhante ideia, mas tiveram.

.....

O que vocês acharam da nossa lista? Acreditam que algumas dessas cenas poderiam realmente ser replicadas em nossa realidade? Ou concordam que elas são fruto da imaginação de seus respectivos criadores? Ainda poderíamos eleger muitos outros filmes (Swordfish, Matrix, Skyfall), seriados (CSI: NY, CSY: Las Vegas) e jogos, mas vamos deixar essa tarefa com vocês: conhece mais alguma cena que se enquadre na categoria de “hacks impossíveis na vida real”?

Cupons de desconto TecMundo: