O grupo ativista Anonymous divulgou ontem (14) alguns dos documentos do processo envolvendo a primeira-dama Marcela Temer e o hacker Silvonei José de Jesus Souza. Caso você não esteja lembrado, ele conseguiu acesso ao celular de Marcela, copiou documentos pessoais e chegou a chantageá-la ameaçando divulgar o conteúdo dos arquivos.

A postagem do Anonymous inclui até a transcrição das conversas, já que a qualidade das capturas de tela que foram inseridas no processo não é das melhores. Silvonei fala que há um áudio que pode comprometer o presidente Michel Temer e pede altas quantias em dinheiro para ficar em silêncio, mas Marcela nega que o conteúdo seja verdadeiro e não cede ao hacker.

Confira a publicação abaixo ou neste link (a transcrição está em um dos comentários, enquanto o áudio permanece em mistério):

Silvonei foi condenado em primeira instância a 5 anos de prisão por clonar o celular da primeira-dama em 2016.

A postagem é legítima?

Muito se falou a respeito do caso após a Justiça ordenar a retirada dos conteúdos dos jornais O Globo e Folha de São Paulo relativos ao caso. Porém, a divulgação dos documentos nesta altura do campeonato já não é mais algo ilegal: o processo é público e os documentos estão livres para serem acessados por qualquer interessado, já que o processo de Silvonei não tramita mais no chamado "segredo de Justiça" (quando toda a investigação é mantida em sigilo para que informações privadas a respeito do réu ou suspeito sejam amplamente divulgadas). Tudo o que o Anonymous fez — assim como outros sites e perfis — foi facilitar o acesso desses dados à população.

Cupons de desconto TecMundo: