Quem mexe com computadores sabe que a pasta térmica tem um papel fundamental no funcionamento adequado da máquina. É ela a responsável por garantir mais eficiência na transferência de calor do processador para o dissipador.

Mas e se você precisar montar um computador, mas não tiver pasta térmica disponível? É possível utilizar outras substâncias no lugar dela para manter a eficiência do sistema?

O Área 42 desta semana é um pouco diferente do tradicional. Em vez de ensinarmos você a construir alguma coisa, vamos realizar uma experiência divertida e interessante.

Selecionamos oito substâncias diferentes para sanar todas as suas dúvidas sobre pasta térmica e, além disso, não precisar arriscar a saúde do seu computador com experiências bizarras como a nossa.

Os competidores

  • Pasta térmica “velha” e ressecada;
  • Nenhuma pasta térmica.
  • Nutella;
  • Maionese;
  • Geleia de uva;
  • Leite condensado;
  • Creme dental;
  • Pomada para assaduras;
  • Pomada para dores musculares;
  • Gel de cabelo.

(Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Como fizemos os testes

    Para realizar as experiências, montamos o computador em um gabinete de testes. Deste modo, é mais fácil acessar os componentes. Para fazer o processador aquecer, rodamos o Prime 95, que é um software que estressa e superaquece a CPU. Rodamos cada teste por aproximadamente 30 minutos, tempo suficiente para a temperatura estabilizar no seu ponto máximo e, se for o caso, começar a apresentar falhas devido à degradação dos materiais utilizados.

    Todos os componentes utilizados foram mantidos em todos os testes, sendo substituída apenas a “pasta” entre a CPU e o dissipador.

    Para completar, utilizamos um soprador térmico para aquecer os materiais e ver o que acontece com cada um deles quando é exposto a altas temperaturas.

    Atenção: Esses testes foram realizados por profissionais capacitados. Não tente reproduzi-los em casa, pois você corre o risco de danificar permanentemente o seu computador. Todas as temperaturas registradas estão em graus Celsius.

    Pasta térmica velha

    O primeiro teste foi realizado com a pasta térmica original, ou seja, aquela que geralmente acompanha o dissipador. Como essa máquina já é um pouco mais antiga, a pasta estava completamente ressecada, o que faz com que ela perca a sua principal função, que é melhorar o contato entre o dissipador e a base da CPU. A máquina começou nos 44 graus, mas em poucos minutos atingiu 64 graus.

    Sem pasta térmica

    No segundo teste, nós removemos completamente a pasta térmica. Com o contato direto entre os metais, obtivemos o seguinte resultado.

    Veja que a temperatura é inferior ao teste anterior, o que indica que, apesar de difícil de acreditar, nenhuma pasta térmica é mais eficiente na tarefa de transferir o calor do que uma pasta térmica velha ou de baixa qualidade.

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Maionese

    Algumas pessoas dizem ter utilizado maionese como substituto da pasta térmica com sucesso. E provavelmente elas não mentiram. O alimento realmente é capaz de fazer um bom trabalho, pelo menos no início. Veja que a temperatura inicial já foi menor que no teste anterior.

     

    Infelizmente, depois de alguns segundos, a maionese começa a secar e a temperatura sobe rapidamente. A partir daí, o efeito é praticamente o mesmo que o de uma pasta térmica velha.

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Veja o que acontece com a maionese quando exposta a altas temperaturas:

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Nutella

    A textura do Nutella é bastante semelhante à de uma pasta térmica real. Será que a eficiência é parecida?

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Por incrível que pareça, Nutella funcionou muito melhor que a maionese na tarefa de vedar os espaços entre CPU e dissipador: iniciamos os testes na temperatura de 39 graus.

    É claro que, depois de aproximadamente 20 minutos de teste, o cheiro de chocolate “assando” preencheu o estúdio e a temperatura começou a subir, atingindo 58 graus rapidamente.

    Veja o que acontece com Nutella exposto a altas temperaturas:

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Geleia de uva

    Nós escolhemos um tipo de geleia de uva sem pedaços, caso contrário, a vedação poderia ficar irregular. O teste começou bem, com o processador a 39 graus.

      (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Poucos minutos depois, no entanto, a geleia, que é a base de água, secou, e a temperatura subiu completamente até estabilizar-se próximo aos 55 graus. Ao removermos o dissipador de calor, foi possível ver que o açúcar ficou completamente cristalizado na base do processador.

    Veja a geleia em condições extremas e como a água evapora rapidamente.

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Leite condensado

    O leite condensado, surpreendentemente mostrou-se eficiente, iniciando em uma temperatura de 39 graus e mantendo-se estável nos 45 graus por quase 20 minutos. Depois disso, a temperatura subiu rapidamente, possivelmente porque o leite condensado virou doce de leite no topo do processador.

      (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Quando removemos o dissipador, uma surpresa: o líquido secou quase completamente, deixando somente o açúcar grudado na tampa do processador.

    Veja como ele derrete rapidamente quando exposto ao calor:

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Creme dental

    Uma lenda muito comum no meio da informática é de que é possível utilizar creme dental como pasta térmica, devido à sua textura ser muito parecida. Diversos usuários, inclusive, relatam terem obtido sucesso com esse experimento.

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    No nosso caso, vimos que a temperatura iniciou em 38 graus e subiu de forma estável até atingir os 54 graus, ficando nesse patamar até o final do teste, o que aparentemente parece ser um bom resultado.

     

    Entretanto, quando desmontamos o dissipador, tivemos uma surpresa: o creme dental secou completamente, praticamente esfarelando nos dedos. Esse resultado mostra que o componente é, na melhor das hipóteses, tão eficiente quanto uma pasta térmica velha ou de baixa qualidade.

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Veja o que acontece com o creme dental quando exposto ao calor:

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Pomada para assaduras

    Outro produto que possui uma textura semelhante à da pasta térmica são as pomadas para assaduras, tipo Hipoglós. No teste, conseguimos um bom resultado inicial, partindo dos 37 graus.

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Infelizmente, isso durou pouco: cerca de 10 minutos após o início do teste, a temperatura começou a subir até que estabilizou nos 57 graus. Assim que removemos o dissipador, vimos que a pomada perdeu muito de sua consistência.

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Podemos entender isso com mais facilidade expondo a pomada à alta temperatura:

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Pomada para dores musculares

    As pomadas para dores musculares possuem uma textura muito suave. Assim que ligamos a máquina, a temperatura foi de 41 para 57 graus em poucos minutos.

      (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Depois do teste, a pomada tinha virado praticamente líquida e a maior parte já havia evaporado. Quando colocamos a pomada no calor, pudemos entender o porquê: em contato com altas temperaturas, ela tende a se liquefazer.

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Gel de cabelo

    No início do teste com o gel de cabelo, não tivemos muita esperança de ver bons resultados, principalmente depois do teste com as duas pomadas. Quando ligamos a máquina, não demorou muito para que a temperatura passasse de 38 para 54 graus.

      (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Quando removemos o dissipador, o gel havia desaparecido completamente, não deixando nada além de um leve perfume na superfície do processador.

    Veja por que isso aconteceu: o gel de cabelo é feito à base de água, por isso seca rapidamente.

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Qual é a melhor solução?

    No final das contas, deixando de lado as brincadeiras, o ideal mesmo é sempre utilizar pasta térmica de boa qualidade. Nós colocamos o material em contato com o calor extremo, e veja o que acontece: mesmo em temperaturas de quase 200 graus Celsius, a pasta térmica se mantém estável, não mudando a sua constituição.

    (Fonte da imagem: Baixaki/Tecmundo)

    Uma dica importante é realizar a verificação da pasta periodicamente, para evitar que ela seque e perca a sua eficiência, pois, como vimos nos testes, às vezes nenhuma pasta é até melhor que uma pasta ineficiente.

    Participe do Área 42

    Você gostaria de participar do Área 42? Você pode fazer isso de duas maneiras. A primeira é enviando sugestões e ideias, e a segunda é enviando fotos de projetos que você construiu com o que mostramos aqui. Lembre-se de caprichar nas fotos e enviar junto o seu nome completo, idade e cidade.

    Envie um email para: area42@gruponzn.com

    Participação dos leitores

    Veja o que nossos leitores já fizeram.

    Bruno Simões Gonçalves - Nova Viçosa - BA - Suporte para Notebook


    Deivid Paixao - carregador de celular portátil


    Felipe Sousa - Suporte para Notebook

    Fernando Escarpante - Mauá - SP - computador bloqueado por chave

    João Paulo Zanin Ramos - Monte Aprazível SP - Suporte para Notebook


    Leonardo Gonçalves - Patos de Minas - MG - Luminária com lâmpada queimada


    Leonardo Modesto - Santa Cruz das Palmeiras - Suporte para Notebook


    William Ribeiro Tótaro - Belo Horizonte, MG - Luminária com lâmpada queimada

    Não deixe de enviar a sua participação!

    Cupons de desconto TecMundo: