O Amazon Fire TV Stick é um dispositivo da Amazon para rivalizar diretamente com o Chromecast da Google e outros aparelhos que trabalham com o streaming de conteúdo. O formato de dongle, que se assemelha muito a um pendrive com esteroides, mostra que a companhia quer convencer os consumidores de que a praticidade também é um dos pontos fortes desse pequeno aparelho, que se conecta a uma TV através da interface HDMI.

Embora em sua segunda geração o Chromecast tenha abandonado o visual de um pendrive – adotando o formato de um disco –, não há como não notar a semelhança entre os dois dispositivos – o Amazon Fire TV Stick e o Chromecast de primeira geração. Porém, o aparelho da Amazon tem alguns diferenciais, como controle remoto dedicado, hardware mais moderno e compatibilidade nativa com o Miracast.

O preço de ambos também é bastante parecido – ao menos nos Estados Unidos –, oferecendo aos consumidores uma alternativa de entretenimento doméstico bem interessante. Assim como o Chromecast, o Amazon Fire TV Stick é perfeito para aquela TV que não possui as funcionalidades "smart", mas conta com uma entrada HDMI e pode se transformar no centro das atenções na sala de estar.

O TecMundo teve a oportunidade de testar esse dispositivo e explorar todas as suas funcionalidades. Será que vale a pena apostar no Amazon Fire TV Stick? Ou é melhor permanecer com a escolha segura e as funcionalidades certeiras que o Google Chromecast oferece?

O Amazon Fire TV Stick foi adquirido pelo TecMundo para a realização desta análise.

Especificações técnicas

  • Sistema operacional: Amazon Fire OS 3.0 (baseado no Android 4.2 Jelly Bean)
  • Chipset: Broadcom Capri 28155
  • CPU: dual-core de 1 GHz
  • GPU: Broadcom VideoCore IV GPU/VPU (Capri VC4)
  • Memória RAM: 1 GB (512 MB para o sistema e 512 MB para vídeo)
  • Armazenamento interno: 8 GB
  • WiFi: 802.11 b/g/n, 2x2 MIMO (2,4 GHz e 5,0 GHz dual band)
  • Bluetooth: Bluetooth 3.0 HID, SPP Profiles
  • USB: Micro USB 2.0 (apenas carregamento)
  • Dimensões: 84,9 mm x 25 mm x 11,5
  • Peso: 25,1 g
  • Dimensões (controle): 119 mm x 40,4 mm x 13,8 mm
  • Peso (controle): 56,9 g
  • Energia (controle): 2 pilhas AAA (inclusas)

Design compacto

Tanto a Google quanto a Amazon – além da fabricante do Roku, outro dispositivo de streaming – acertaram em cheio na construção de seus aparelhos. O formato de set-up box, que está presente em modelos como o Amazon Fire TV e a Apple TV (4ª geração), é prático, mas passa longe de oferecer a aspecto compacto de um pendrive. Essa é a principal vantagem de produtos como o Amazon Fire TV Stick e o Chromecast.

O aparelho da Amazon possui dimensões bastante semelhantes quando comparadas com as do dispositivo da Google, com a vantagem de ter um design mais reto e limpo. Os mais desavisados podem realmente achar que o Amazon Fire TV Stick é na verdade um pendrive com uma interface HDMI em uma das pontas.

Além do dongle, o kit acompanha um controle dedicado, que se destaca pela simplicidade e pelas funcionalidades práticas. A presença desse acessório – que atua com a ajuda de duas pilhas AAA já inclusas – é uma das maiores vantagens com relação ao Google Chromecast, que exige um smartphone/tablet/computador para poder receber comandos e reproduzir conteúdo. Entretanto, vale ressaltar que em ambos os casos todo o processamento acontece diretamente no dispositivo conectado à TV, desconsiderando o hardware do aparelho conectado.

O aparelho da Amazon possui dimensões bastante semelhantes quando comparadas com as do dispositivo da Google

O controle possui apenas seis botões: Menu, Home, Voltar e os controladores multimídia (Voltar, Pausar/Ligar e Avançar). No topo do acessório, uma superfície circular e sensível ao toque é utilizada para navegação. No centro, um acionador funciona como o botão principal. Vale ressaltar que um dos modelos do Fire TV Stick não possui o botão para reconhecimento por voz para realizar buscas. O modelo com essa funcionalidade é um pouco mais caro.

No kit, ainda encontramos um adaptador de energia – que pode conectar o Fire TV Stick diretamente na tomada ou na porta USB da TV e um extensor HDMI. Esse último acessório é perfeito para ser usado naqueles televisores que ficam muito próximos da parede e não possuem acesso fácil até a interface HDMI. O conector de energia tem uma extensão boa para ser plugado na porta USB, mas com certeza dificultará a vida daqueles que vão precisar ligá-lo na tomada.

Uma vantagem que a Amazon oferece para os consumidores que adquirirem o Fire TV Stick no site da empresa é enviar o dispositivo pré-configurado com a conta do comprador. Porém, ainda é possível mudar esse esquema através do menu, mas ele facilita muito a vida e realmente passa a impressão de que aquele aparelho foi especialmente desenvolvido para você.

Interface simples e organizada

Ao ligar o Fire TV Stick pela primeira vez, o usuário é forçado a assistir a uma animação que mostra algumas orientações sobre a utilização do dispositivo. Não é possível pular essa etapa, mas ela é rápida e pode ser vista novamente depois, já que apresenta algumas explicações importantes – em inglês. O vídeo também dá destaque para o Amazon Prime, serviço que estende as funcionalidades do dongle para conteúdos mais interessantes.

A interface é exatamente a mesma presente no set-up box da Amazon, o Fire TV. Trata-se de uma modificação do Fire OS – sistema que equipa o Kindle Fire –, que, por sua vez, é uma versão alternativa do Android. As semelhanças, entretanto, ficam limitadas ao formato dos ícones no controle, já que tudo parece ser muito diferente do universo do robozinho verde.

A simplicidade do hardware também está no software: a visualização de todos os ícones e funcionalidades segue uma filosofia minimalista e organiza as opções em um menu vertical. Ao selecionar uma opção, o conteúdo daquela categoria é exposto no lado direito, mostrando também os destaques de cada uma delas.

A visualização de todos os ícones e funcionalidades segue uma filosofia minimalista e organiza as opções em um menu vertical

Além da busca ("Search"), temos a tela inicial ("Home"), Prime Video, filmes ("Movies"), TV, lista de "quero assistir" ("Watchlist"), biblioteca de vídeos (Video Library), games, apps, músicas ("Music"), fotos ("Photos") e configurações ("Settings"). Não tem como se confundir ou se perder em meio a essa interface simplificada e muito bem organizada.

Com relação ao desempenho e à fluidez, percebemos que o Fire TV Stick realmente não é tão rápido quanto sua contraparte no formato de set-up box. A interface funciona de forma leve, mas há engasgos ocasionais, que são resultado do hardware mais modesto. Entretanto, o tempo para carregamento de conteúdo – que também é influenciado pela velocidade de conexão – é satisfatório e não temos muito do que reclamar.

Um detalhe que acaba incomodando um pouco é a quantidade de espaço interno oferecido pelo Fire TV Stick. São apenas 8 GB de armazenamento, o que pode ser um problema para quem pretende instalar muitos aplicativos. O que contorna um pouco isso é o fato de que muito conteúdo não é guardado diretamente no dispositivo, pois é executado a partir da nuvem.

O que vem na caixa?

  • Amazon Fire TV Stick;
  • Controle remoto do Amazon Fire TV;
  • Cabo HDMI extensor;
  • Cabo USB de energia;
  • Adaptador de energia para o cabo USB;
  • Duas pilhas AAA.

Boa oferta de conteúdo

A Amazon garante que os usuários que comprarem um Fire TV Stick não vão sentir falta de conteúdo algum ao utilizá-lo. Segundo a empresa, são mais de 250 mil episódios de séries, filmes e muitos outros conteúdos disponíveis em Netflix, Amazon Video, HBO NOW, HULU e muito mais. Muitas produções podem ser compradas ou alugadas, e usuários que possuem uma conta Prime têm acesso a ainda mais conteúdo.

Porém, executando o sistema do Fire TV Stick aqui no Brasil, tivemos problemas para rodar vários tipos de conteúdos oferecidos pela Amazon. Até mesmo alguns vídeos gratuitos não executavam por conta da indisponibilidade em nossa região. Alguns programas também não oferecem suporte para cá, o que exige um pouco de pesquisa para saber se o que você quer vai funcionar por aqui.

Tivemos problemas para rodar vários tipos de conteúdos oferecidos pela Amazon

Entretanto, em se tratando de aplicativos, tudo rodou normalmente. Conseguimos instalar e executar vários jogos no Fire TV Stick, o que ajuda a aumentar a gama de atividades possíveis no pequeno dongle. Alguns games são muito divertidos para se experimentar com o controle remoto do dispositivo. Outros, porém, precisam de um joystick diferenciado – como o do Fire TV – para oferecer uma experiência satisfatória.

Ainda sobre apps, ficamos contentes ao constatar que aplicativos tradicionais, como Netflix, YouTube e Twitch.tv, funcionaram normalmente. Somente esses três programas conseguem disponibilizar uma grande variedade de conteúdo para os consumidores, garantindo assim muita diversão e entretenimento para os usuários.

Também ficamos satisfeitos com os aplicativos que rodam músicas, embora o Fire TV Stick não seja o dispositivo mais apropriado para isso. O problema, na verdade, não é o dongle, mas a capacidade sonora do dispositivo ao qual ele está conectado. Dependendo da sua televisão, o som pode ficar bastante distorcido e apresentar uma qualidade pouco agradável.

Relato de usuários

Várias leitores entraram em contato com o TecMundo informando que o Fire TV Stick não funciona ou apresenta limitações bastante restritivas aqui no Brasil. O aparelho que testamos, adquirido nos Estados Unidos, realmente funcionou e conseguiu executar várias das funções propostas.

Uma das soluções que encontramos para solucionar possíveis problemas é o tipo de conta utilizada, entre a americana e brasileira. É bastante provável que as dificuldades de compatibilidade sejam resolvidos nesse caso. Para instruções de como proceder, sugerimos a leitura deste link.

Com relação aos problemas de funcionamento, colocamo-nos à disposição para ajudar com o que for possível.

Vale a pena?

O Fire TV Stick é um dispositivo realmente impressionante. Com ele, é possível transformar uma televisão com conexão HDMI em uma smart TV sem muitas dificuldades. Basta plugar todos os cabos e sair mexendo no conteúdo oferecido pela Amazon e nos aplicativos que podem ser instalados.

Entretanto, foi com o quesito oferta de conteúdo que realmente nos desapontamos um pouco. Alguns vídeos simplesmente não executaram em nossos testes, o que indica que há uma espécie de trava de região. Certos serviços também podem apresentar alguma restrição, especialmente se a sua conta na Amazon for brasileira, e não norte-americana. Porém, com a quantidade de opções ainda disponíveis, fica difícil se lembrar desse problema depois de um tempo.

Só o fato de o Fire TV Stick suportar a execução de aplicativos como Netflix, YouTube e Twitch.tv compensa a falta de alguns conteúdos

Só o fato de o Fire TV Stick suportar a execução de aplicativos como Netflix, YouTube e Twitch.tv compensa a falta de alguns conteúdos. Esses apps definitivamente conseguem oferecer muita diversão e funcionam perfeitamente com contas nacionais com todo o catálogo disponibilizado, de acordo com o tipo de conta.

Porém, o maior destaque desse dispositivo é o controle remoto, uma forma extremamente intuitiva e fácil de interagir com o Fire TV Stick. Definitivamente, é um método melhor do que utilizar um aparelho conectado, pois agiliza a tarefa de encontrar e começar a reproduzir o que você está procurando.

Se você está procurando um dispositivo para transformar a sua televisão em uma smart TV, o Fire TV Stick com certeza é uma boa opção. Os problemas com a disponibilidade de conteúdo são facilmente encobertos pela variedade de aplicativo úteis e funcionais oferecidos pela Amazon. Caso você tenha condições de importar, comprar através de um amigo ou encomendar em alguma viagem, vale a pena apostar nele.

Cupons de desconto TecMundo: