A situação no Brasil não está favorável para comprar quase nada, mas há épocas em que não tem jeito e temos que fazer um esforço para dar um upgrade em alguns eletrônicos.

Os notebooks, por exemplo, são produtos que se defasam rapidamente, e uma troca de tempos em tempos pode se fazer necessária. Contudo, na hora de comprar um novo modelo, sempre pintam aquelas dúvidas clássicas quanto ao processador, à tela, ao peso e por aí vai.

A verdade é que não existe uma receita para todo mundo, já que cada pessoa tem diferentes comportamentos e vai usar sua máquina para as mais variadas tarefas. Porém, é claro que há algumas formas de filtrar as pesquisas e encontrar alguns modelos mais acessíveis e atraentes.

Pensando nisso, nós separamos algumas dicas rápidas para você, que pretende comprar um notebook novo ou trocar aquele que já está causando muitas dores de cabeça.

Para que você vai usar seu notebook?

Bom, antes de falarmos de hardware, é importante uma pausa para colocar uma questão importante em pauta: a finalidade do notebook.  Antes de começar a pesquisar, você deve pensar em quais tarefas vai realizar em seu computador portátil.

De nada adianta pegar um notebook com configuração gamer (e pagar uma nota) para usar somente o Word. Da mesma forma, você não pode comprar um notebook básico e esperar grandes resultados para jogos. Não funciona assim. Existem vários perfis de máquinas (básico, intermediário, avançado, gamer) que variam tanto nas especificações quanto nos preços.

Uma vez avaliada essa questão, é preciso pensar no orçamento, pois não adianta querer comprar um laptop gamer com 2 mil reais porque definitivamente não será possível. Depois de ter esses dois parâmetros em mãos, você pode começar a investigar os modelos e, então, avaliar quais peças cabem na sua máquina e no seu bolso.

Tela

Escolher a tela é uma das tarefas mais fáceis, afinal você só precisa decidir o tamanho que mais se adequa às suas tarefas, certo? Bom, não exatamente. A questão do tamanho é realmente simples, mas a escolha da tela envolve outros aspectos importantes, como resolução, brilho, contraste, fidelidade de cor, sensibilidade ao toque, etc.

Se você pretende trabalhar com design gráfico e edição de vídeo ou jogar, muitas vezes é melhor já optar por uma tela com resolução Full HD (mas você também pode optar por um notebook com tela HD e ter um monitor Full HD).

As questões do brilho, do contraste e da fidelidade de cor são bem importantes para quem trabalha com fotografia, mas talvez não sejam primordiais para quem pretende apenas produzir textos. É claro que se você já puder pegar um display de melhor qualidade, sua experiência será muito mais rica no dia a dia.

O touchscreen é um recurso que não necessariamente vai adicionar performance ou grandes funcionalidades ao seu notebook. Se você já está acostumado com os apps do tablet ou smartphone, talvez este adicional venha a calhar. Entretanto, a falta do touchscreen não deve ser um agravante na produtividade ou mesmo na hora da diversão.

Processador

A questão do processador é bem complicada, pois há uma grande gama de opções. Vamos por partes. Primeiro, temos os chips mais básicos (como os chips AMD E, Intel Atom), que servem apenas para tarefas básicas, como navegação na web e produção de textos.

Depois, temos processadores de desempenho básico (como os AMD A4, Intel Celeron e Intel Pentium), que já entregam desempenho adicional para usar apps mais pesados e até rodar alguns joguinhos.

Na sequência, temos componentes intermediários (como os AMD A6, A8 e A10, bem como Intel Core i3), os quais são adequados para quase todos os tipos de tarefas multimídia, incluindo reprodução de vídeos em 4K, jogos tridimensionais com qualidade superior e edição de imagens.

Os modelos mais robustos (como Intel Core i5 e Core i7) são dedicados para usuários mais exigentes, que já buscam tranquilidade para qualquer tarefa e pretendem trabalhar com uma grande quantidade de aplicativos. Entre esses componentes, ainda temos chips mais especiais (série i7 com quatro núcleos), os quais são mais comuns em PCs gamer.

Memória RAM

A quantidade de memória RAM é algo que está atrelado diretamente às suas tarefas, bem como ao restante da configuração da máquina. Um notebook dedicado para produção de textos e navegação na web pode funcionar perfeitamente com apenas 2 GB (pensando aqui na questão econômica acima de tudo), sendo possível atualizar para 4 GB posteriormente.

Nossa recomendação, contudo, para as configurações mais básicas e até para alguns PCs intermediários é optar por 4 GB de memória RAM, que já garantem melhor experiência com múltiplas tarefas e devem dar conta do recado por um bom tempo. Além disso, nada impede que você faça um upgrade para 8 GB.

Computadores para edição de fotos, jogos e até voltados para projetos tridimensionais já podem exigir 8 GB de memória RAM (ou até mesmo 16 GB para quem for mais exagerado e optar por uma máquina top de linha). Configurações com 32 GB também são encontradas no Brasil, mas o investimento é salgado e talvez não entregue tantos benefícios.

Armazenamento

Em questão de espaço, tudo depende do que você pretende guardar. Se você é do tipo que mantém todas as fotos de família, filmes e músicas no notebook, então é bom optar por um disco rígido grande (500 GB ou 1 TB já devem ser suficientes para a maioria das pessoas).

No entanto, em questão de armazenamento, ainda é preciso pensar na questão da tecnologia de armazenamento. Atualmente, temos dois padrões: disco rígido (HD) e drive de estado sólido (SSD). Os HDs são ideias para guardar arquivos, já os SSDs são focados em velocidade.

Se você tem uma boa grana para investir, o SSD vai fazer muita diferença para carregar o sistema e os aplicativos (e aí tudo depende do seu orçamento e da marca em questão, pois há SSDs de 120 GB, 240 GB, 480 GB e até 960 GB). No entanto, para quem pretende economizar ainda recomendamos o HD, até porque é possível realizar a troca posteriormente por um SSD.

Bateria

Não é muito fácil encontrar um notebook com boa configuração de hardware e que ainda entregue boa performance energética, pois o hardware é um dos principais vilões da autonomia da bateria. Além disso, nem sempre as informações dos fabricantes são confiáveis, pois os tempos de uso longe da tomada apresentados pelas marcas geralmente são em situações bem específicas.

Em questão de autonomia, nossa sugestão é optar por modelos que entreguem no mínimo 4 horas de uso contínuo para tarefas comuns (navegação na web, produção de textos e reprodução de vídeos), pois esse é um valor intermediário de tempo para você ficar sem um carregamento.

Entretanto, quanto maior a autonomia de bateria, melhores são os resultados para você, afinal poder usar o notebook por até 10 horas, como algumas fabricantes prometem, é o sonho de qualquer usuário, já que você não depende do carregador com tanta frequência.

Assim como todos os componentes, quanto melhor a bateria, maior será o valor final do produto. Há de se considerar ainda que, em alguns casos, é possível realizar upgrades neste componente, instalando baterias de maior capacidade.

Peso e medidas

Todos os sites de vendas de notebooks na web trazem (ou pelo menos deveriam trazer) informação detalhada sobre as medidas e o peso. Nesse quesito, realmente não tem muito o que você pensar, pois quanto mais leve o aparelho, melhor ele será para ser transportado.

Então, basta averiguar se o modelo em questão cabe na sua mochila, se ele não vai lhe causar transtornos no transporte e se ele está adequado ao seu bolso (geralmente, quanto mais leve o produto, maior é o valor). Em caso de dúvidas sobre tais especificações, sempre vale consultar o site da fabricante.

Placa de vídeo

Todos os notebooks já trazem chip gráfico integrado, afinal é necessário ter um componente de vídeo para reproduzir os gráficos do sistema e dos aplicativos. Contudo, quando tratamos de “placa de vídeo”, estamos falando especificamente de chips dedicados para entregar melhor desempenho em tarefas multimídia e jogos tridimensionais.

Alguns processadores (como os AMD A6, A8 e A10) já trazem chips (Radeon) preparados para entregar alguma performance adicional em jogos. Em geral, notebooks equipados com chips Intel trazem as GPUs Intel HD Graphics (que até rodam muitos jogos), mas modelos com peças da AMD (R7 265M) e NVIDIA (GeForce GT 830M) apresentam melhores resultados.

Contudo, se você pretende optar por um computador para jogos mesmo, então a única opção é escolher os chips mais poderosos. Aí, assim como nos processadores, há peças de diferentes níveis de desempenho: R9 M275, GTX 960M, R9 M290X, GTX 970M, R9 M390X, GTX 980M e GTX 980 (isso sem contar máquinas com SLI e CrossFire).

Teclado, touchpad e outros

Para finalizar, a gente tem uma série de outros aspectos para pensar. O hardware é parte fundamental para o desempenho, mas os periféricos são essenciais para a experiência. Se você pretende usar o PC para produção de textos, por exemplo, um teclado amplo e com padrão ABNT é de suma importância.

O touchpad grande vem a calhar para a maioria das pessoas, mas muita gente acaba trocando o componente embutido por um mouse comum. Se este for o caso, às vezes nem adianta perder muito tempo pensando nesse quesito.

A webcam é um item primordial para a maioria das pessoas, e há modelos dos mais variados tipos e com diferentes características (resoluções, ajuste de brilho, qualidade, captação de áudio). Se você faz videoconferência todos os dias no Skype, então vale pegar um notebook com uma boa webcam (ou comprar uma melhor separadamente). Do contrário, uma básica dá conta do recado.

O drive de DVD (ou mesmo de Blu-ray) é um negócio que tem caído em desuso, mas, se você ainda faz questão de ter, nada impede de encontrar uma máquina adequada às suas necessidades que traga tal componente. Nossa recomendação é optar por um notebook que já não traga tal item, pois a ausência do leitor deixa o PC muito mais leve.

Além disso, ainda temos as conexões. Se você usa muitos dispositivos USB, então é bom pesquisar por modelos que tragam três ou mais portas USB. A questão da conexão de vídeo também é importante, já sendo recomendado pegar um laptop com HDMI, que deve ser compatível com a maioria das telas.

Assistência técnica

Todas as questões de hardware e periféricos são importantes, mas não podemos deixar de mencionar aspectos como garantia e assistência técnica, pois, quanto melhores os benefícios nesse sentido, menores serão suas dores de cabeça.

Também vale considerar que nem todas as máquinas oferecem garantia internacional, ou seja, se você comprar um notebook lá fora, talvez ele não tenha assistência (tanto peças quanto especializadas) aqui no Brasil.

Pesquise muito e vá com calma

Como você pôde ver, há inúmeros aspectos para ficar de olho, e cada característica da máquina merece atenção redobrada, afinal uma máquina desse porte é um alto investimento e qualquer desleixo pode acabar causando arrependimento futuramente.

Na questão do preço, vale ficar de olho nas tantas lojas e nas ofertas disponíveis, pois marcas disstintas podem ofertar máquinas muito similares com preços muito diferentes. Mais vale aguardar algum tempo e fazer a escolha certa do que se arrepender depois.