O BrainScales é um neurocomputador desenvolvido pelo professor Karlheinz Meier, da Universidade de Heidelberg, na Alemanha. Dentro do "Projeto Cérebro Humano", o PC serve para comprovar que processadores neuromórficos conseguem superar processadores digitais.

Em protótipo, o BrainScales é composto de 20 chips Spikey, que totalizam 4 milhões de neurônios e 1 bilhão de sinapses. Estes neuroprocessadores (processadores neuromórficos), caso você não saiba, buscam imitar o funcionamento de um cérebro humano.

"O sistema BrainScales vai além dos paradigmas de uma máquina de Turing e da arquitetura von Neumann, ambos projetados durante meados do século 20 pelos pioneiros da computação Alan Turing e John von Neumann. Ele nem executa uma sequência de instruções nem é construído como um sistema de unidades fisicamente separadas de processamento e memória. Ele é mais uma imagem direta, feita sobre silício, das redes neuronais encontradas na natureza, imitando células, conexões e comunicações intercelulares por meio da mais moderna microeletrônica analógica e digital", comentou o professor Meier, segundo indicação do pessoal do Inovação Tecnológica.

Equipe BrainScales

Está achando complicado? Realmente, pode ser um pouco. Então, vamos tentar te ajudar de forma mais completa. Se você clicar aqui, vai encontrar um artigo do TecMundo no qual explicamos com todos os detalhes o que é e como funciona um neurocomputador e processadores neuromóficos.

O BrainScales foi liberado para uso pela rede de pesquisas do Projeto Cérebro Humano. Além de pesquisas sobre inteligência artificial e a autoorganização de redes neurais, o professor Meier acredita que o neurocomputador seja útil para Big Data, algo que grandes companhias de tecnologia já usam para analisar volumes absurdos de dados.

Neurocomputadores são o futuro? Comente no Fórum do TecMundo