Imagem de: Perdão pelo vacilo! ZTE quer a sua ajuda para turbinar celular colaborativo
Fonte: Digital Trends

Perdão pelo vacilo! ZTE quer a sua ajuda para turbinar celular colaborativo

3 min de leitura
Avatar do autor

A ZTE anda bastante ousada nos últimos tempos, desenvolvendo alguns projetos bastante criativos para o mercado mobile. O mais recente deles é o Hawkeye, um smartphone que foi criado pela própria comunidade em torno da marca e que traz em seus diagramas iniciais uma série de tecnologias bem interessantes para o segmento. Toda essa ousadia e criatividade, no entanto, podem ter sido um verdadeiro tiro pela culatra graças a algumas decisões bastante questionáveis por parte da companhia – que, agora, admite seus erros.

Embora o concurso cultural que tenha coroado um smartphone capaz de grudar em qualquer superfície e “ler” o movimento dos olhos do usuário tenha sido bem movimentado e criado um espírito colaborativo entre o público, os passos seguintes – por parte da ZTE – da empreitada deram uma esfriada na relação. Inicialmente, a ideia da fabricante chinesa foi levar a colaboração para um novo nível ao fazer o celular ser validado através de uma campanha no Kickstarter. O formato “final” do aparelho, porém, não animou os internautas.

Grudar o celular na parede? Só com um case especial

O item mais polêmico e que brecou os incentivos no site de financiamento, no entanto, parece ser o hardware do gadget

Para começar, o design do dispositivo foi simplificado consideravelmente em relação ao projeto inicial. Em seguida, a implementação de recursos marcantes do equipamento se tornou, no mínimo, duvidosa. A função de fixar, por exemplo, foi passada para um case especial – e ainda com tecnologia indefinida –, enquanto os sensores de monitoramento de olhar acabaram se revelando um desafio grande para a empresa. O item mais polêmico e que brecou os incentivos no site de financiamento, no entanto, parece ser o hardware fraco do gadget.

A proposta original da ZTE prometia um smartphone top de linha aos consumidores, o que fez boa parte do público esperar um aparelho com configurações semelhantes ou superiores aos flagships de outras marcas. A realidade, porém, foi bem decepcionante. Afinal, trata-se de um celular que, mesmo valendo o preço pedido – US$ 199 (cerca de R$ 630) –, fica mais para um intermediário modesto do que um top de linha tradicional. Confira as configurações programadas para o Hawkeye no início de sua campanha:

Especificações técnicas

  • Tela: LCD de 5,5 polegadas
  • Resolução de tela: Full HD (1920x1080 pixels)
  • Sistema operacional: Android 7.0 (Nougat)
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 625 octa-core de 2 GHz
  • Memória RAM: 3 GB
  • Armazenamento interno: 32 GB
  • Armazenamento externo: cartões micro SD de até 256 GB
  • Câmera traseira: 13 MP + 12 MP (com zoom ótico)
  • Câmera frontal: 8 MP
  • Conectividade: 4G LTE 150/50M, Bluetooth 4.2, WiFi a/b/g/n/ac, porta USB Tipo-C, NFC
  • Recursos exclusivos: leitor de digitais, áudio Hi-Fi
  • Bateria: 3.000 mAh (com Quick Charge 2.0)

Tentando consertar a derrapada

Depois de a empreitada ter juntado apenas uma fração da sua arrecadação total pedida – apenas US$ 36 mil de US$ 500 mil –, e de a página do projeto no Kickstarter ter se enchido de críticas, a ZTE resolveu fazer uma postagem em seu fórum oficial para admitir a sua parcela de culpa e tentar reverter esse cenário. No comunicado, a empresa afirma que o preço definido para o smartphone não será alterado – mostrando seu compromisso em manter um valor acessível para o produto –, mas que quer ouvir sugestões do público para melhorar o gadget.

A troca de um chip Snapdragon 625 por um 835 lidera a pesquisa

Para chegar a um tipo de veredito, a companhia montou uma enquete com diversas opções de melhorias que podem ser implementadas no aparelho, selecionando itens entre os pedidos mais requisitados pelos usuários. No momento, a troca de um chip Snapdragon 625 por um 835 lidera a pesquisa, com 47% dos votos. Na sequência, manter o Android padrão em vez da UI customizada da ZTE (18%) parece ser uma adição aguardada, assim como a substituição da bateria de 3.000 mAh por uma de 3.500 mAh (7%).

Dar um tapa no visual não é uma opção padrão da enquete

Outros 27% dos internautas escolheram deixar seu próprio comentário para citar outras mudanças que talvez possam ser feitas ao equipamento, indo desde um belo incremento na quantidade de memória RAM até a inclusão de uma tela AMOLED no kit. E para você, o que faria os US$ 200 do ZTE Hawkeye valer a pena? Dá para imaginar que, se o processador mais recente da Qualcomm for implementado ao conjunto, esse preço vai passar de algo aceitável para uma pechincha fantástica.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Perdão pelo vacilo! ZTE quer a sua ajuda para turbinar celular colaborativo