O YouTube é um dos sites mais utilizados em todo o mundo, sendo que ele conta com uma quantidade de fãs e adeptos realmente grande — afinal de contas, com ele você pode consumir diversos tipos de conteúdo, indo de músicas até peças humorísticas. Por conta disso, é difícil encontrar alguém que não goste ou que não use essa página.

Mas, apesar de oferecer uma série de benefícios, o YouTube já recebeu como punição bloqueios temporários (ou permanentes) em diferentes países. Os motivos para que isso aconteça são bem variados, abrangendo vídeos impróprios, transgressões de leis e até mesmo interesses puramente políticos.

Pensando nisso, o pessoal do canal Alltime10s (que, por sinal, trabalha no YouTube) publicou um vídeo contando dez ocasiões em que o site da gigante de Mountain View foi banido de alguma forma — e os fatos ocorreram em países diferentes, assim como você pode conferir nas explicações posicionadas logo abaixo.

1. Brasil

A modelo e apresentadora Daniella Cicarelli. (Fonte da imagem: Reprodução/Contigo)

Talvez você considere isso algo realmente estranho, mas o YouTube já foi bloqueado temporariamente no Brasil. O caso ocorreu em 2007, quando um vídeo impróprio (que se passava na praia) da modelo e apresentadora Daniella Cicarelli foi publicado diversas vezes. Para que as filmagens fossem retiradas, ela processou o site, resultando em um banimento temporário até que os pedidos da artista fossem atendidos.

2. Turquia

Recep Tayyip, o primeiro-ministro da Turquia. (Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)

De 2007 até 2010, o governo da Turquia impediu o acesso ao YouTube por conta de uma série de vídeos que ofenderam os turcos. A novidade sobre isso é o fato que o atual primeiro-ministro do país está ameaçando o site com outro banimento, devido ao vazamento de informações que apontam para casos de corrupção no seu governo. Tenso, não é?

3. Alemanha

(Fonte da imagem: Reprodução/Persoundsmusic)

O caso da Alemanha é um tanto quanto mais brando do que os vistos até aqui. No ano de 2009, por conta de leis que defendem direitos autorais, qualquer vídeo com músicas registradas (inclusive se fossem utilizadas em segundo plano) foram bloqueados. Em 2013, um estudo apontou que 60% dos mil vídeos mais assistidos no YouTube foram censurados na época.

4. Líbia

O ex-ditador Muammar al-Gadaffi. (Fonte da imagem: Reprodução/Zimbio)

Em 2010, diferentes vídeos foram publicados no YouTube com um posicionamento contra o governo de Muammar al-Gadaffi — filmagens chegavam a mostrar o ditador em festas com a sua família. Dessa maneira, o político decidiu banir o site do seu país, mas essa situação foi revertida em 2011, quando a revolta da população tirou Gadaffi do poder e resultou em uma reforma política bastante marcante.

5. Tailândia

Acima, o rei Bhumibol Adulyadej. (Fonte da imagem: Reprodução/firstworldfacts)

Há sete anos, uma apresentação de slides acabou sendo postada no YouTube, sendo que as imagens mostravam o rei da Tailândia, Bhumibol Adulyadej, com o rosto desfigurado. Essa postagem acabou fazendo com o que o produto da Google sofresse um banimento de 5 meses em 2007 — provavelmente para proteger a imagem do monarca.

6. Turquemenistão

Uma das paisagens do Turquemenistão. (Fonte da imagem: Reprodução/Mundoafora)

O Turquemenistão apresenta um dos casos mais estranhos desta lista. Em 2009, o governo do país decidiu bloquear apenas o ISP do YouTube, sem dar nenhum tipo de explicação oficial para justificar essa iniciativa. Dessa maneira, com o objetivo de conseguirem utilizar o serviço, os cidadãos precisaram apresentar os seus passaportes para usarem computadores em lans ou em cafés com acesso à internet.

7. China

(Fonte da imagem: Reprodução/Wikimedia Commons)

Desde o ano de 2009, a China baniu o YouTube do seu território e também aproveitou a situação para adotar regras mais rígidas em relação ao uso de vídeos na internet. Agora, o upload de qualquer tipo de filmagem é vetado, com o simples objetivo de impedir a disseminação de conteúdo vulgar e para proteger a saúde dos jovens.

8. Coreia do Norte

Kim Jong-un, o líder político da Coreia do Norte. (Fonte da imagem: Reprodução/Vinoblok)

A Coreia do Norte tem um banimento bem maior e que acaba afetando o YouTube: apenas algumas pessoas selecionadas da elite norte-coreana têm acesso livre à internet. Os cidadãos comuns podem utilizar apenas uma intranet (chamada de Kwangmyong), sendo que ela apresenta um acervo com apenas mil sites — e o site de vídeos da Google não está entre eles.

9. Irã

(Fonte da imagem: Reprodução/CNN)

No caso do Irã, o banimento ocorreu também em 2009 — ano que parece ter sido bem problemático para o YouTube. Isso aconteceu por conta das manifestações feitas pela população devido às eleições presidenciais. Como alternativa, em 2012, o governo iraniano lançou um produto próprio, chamado Mehr, que também tem o objetivo de promover a cultura do país com a publicação de notícias.

10. Paquistão

(Fonte da imagem: Reprodução/Appszoom)

No Paquistão, o YouTube está bloqueado para todos os cidadãos desde 2012, quando um vídeo chamado “Innocence of Muslims” foi colocado no ar — o conteúdo foi considerado pelos muçulmanos como extremamente ofensivo. Além disso, as autoridades do país acidentalmente tiraram o site do ar de forma temporária e em escala mundial no ano de 2008, ocasião em que estavam providenciando um outro banimento.

Cupons de desconto TecMundo: