Mudanças grandes na chefia da empresa, valor de mercado despencando e muita desconfiança por parte do público. Dá para dizer que a vida não anda nada fácil para o Yahoo. O pior de tudo? Esse cenário não deve melhorar tão cedo. Isso porque a companhia confirmou em um comunicado emitido esta semana que um novo episódio de invasão ocorrido entre 2015 e 2016 comprometeu ao menos 32 milhões de contas de usuários de seus serviços.

Calma, não se trata de uma notícia repetida ou qualquer coisa do tipo. Esse é simplesmente o terceiro caso consecutivo de vazamento de dados dos clientes do Yahoo, que já sofreu com outros ataques do tipo em 2013 e 2014 – episódios que afetaram nada menos que 1,5 bilhão de perfis registrados junto à plataforma. Segundo informações obtidas pelas autoridades norte-americanas, o capítulo mais recente da saga pode estar ligado aos hacks de 2014.

Os hackers usaram uma série de cookies forjados para ganhar acesso aos dados dos internautas

De acordo com o SEC – uma comissão do governo dos EUA especializada em segurança e transações monetárias –, o fato de os executivos de alto escalão da empresa não terem levado adiante investigações mais aprofundadas quando um ataque resultou na invasão de 26 contas de usuários pode ter deixado aberto uma brecha enorme nos servidores da companhia. No caso de 2016, por exemplo, os hackers usaram uma série de cookies forjados para ganhar acesso aos dados dos internautas.

Por conta disso, nesta quinta-feira (2), Marissa Mayer chegou a assumir plena responsabilidade por essa falha de segurança em seu papel como CEO do Yahoo. Como forma de “pagar por seus pecados”, a executiva também abriu mão de seu bônus anual e de sua participação nos lucros da empresa, pedindo que essa compensação fosse redistribuída para os funcionários que realmente suam a camisa pela marca. Esse gesto bonito, no entanto, não deve evitar que as negociações entre Yahoo e Verizon se tornem ainda mais delicadas.

Cupons de desconto TecMundo: