Julian Assange, fundador do site Wikileaks (Fonte da imagem: Reprodução/Espen Moe)

Julian Assange ganhou notoriedade mundial ao criar o Wikileaks, site que divulga segredos de diversos países e busca uma maior transparência política no mundo. Graças aos ataques a figuras importantes, Assange se tornou um alvo e logo foi acusado de dois supostos crimes sexuais, cometidos em 2010.

A Suécia, país em que os crimes supostamente aconteceram, está tentando extraditar o jornalista, uma ação que países como Inglaterra e Estados Unidos apoiam. Recentemente, Assange recebeu a oferta de asilo político vinda do Equador. O problema é que, enquanto estava na embaixada do país, em Londres, o governo inglês avisou que o prenderá assim que ele sair do prédio.

Assange está “ilhado” na embaixada equatoriana, buscando uma saída diplomática para o problema. Agora, hackers optaram por realizar ataques a sites do governo, tentando fazer pressão para que o criador do Wikileaks consiga fazer a viagem e sair em liberdade.

Nas últimas semanas, foram feitos ataques a domínios do governo inglês, que insiste em extraditar Assange, e, agora, foi a vez de sites suecos serem atacados.

Sites das Forças Armadas, turismo e outros órgãos do governo foram vítimas de ataques, que os tiraram do ar por algum tempo. No momento em que essa notícia foi postada, todos os sites já estavam operando normalmente, com exceção do http://polisforbundet.se/, domínio da polícia sueca.

Fonte: The Next Web