Imagem de Dear Esther
Imagem de Dear Esther

Dear Esther

Nota do Voxel
85

Basta seguir o som do vento...

Será possível escapar de padrões enlatados? Será possível partir em uma nova produção, deixando convenções e “lugares-comuns” esperando do lado de fora da porta — a fim de criar algo realmente novo? Parece que sim. Entre enxurradas de produtos virtualmente iguais (mesmo que fotorrealistas, o que já não quer dizer tanto assim), é revigorante encontrar pioneiros; obras capazes de mostrar um novo horizonte não apenas para a indústria de games, mas para todo o conceito desgastado que responde por “entretenimento”.

Afinal, chamar algo como Dear Esther de “jogo” não seria exatamente uma ofensa — como poderia colocar qualquer um que tenha atravessado toda a experiência interativa do mod. Trata-se, antes, de um erro categórico: não se trata aqui de um jogo, pelo menos não segundo a definição clássica.

Img_normal
Nada aqui envolve vidas, barras de energia, pontos de respawn, fases ou quaisquer outras categorias forjadas ao longo dos anos pela faceta mais “econômica” da indústria de jogos. À sua frente, há apenas uma enorme ilha de vegetação rasteira quase virgem, constantemente perturbada pelo som do mar e por ventos cortantes.

É verdade que não se trata de nada realmente novo aqui. Na verdade, Dear Esther foi lançado originalmente em 2008, em um mod produzido a partir da engine Source. Dessa forma, a versão recentemente empacotada pela desenvolvedora thechineseroom representa, antes, uma releitura mais “comercial” do “game” — com texturas e áudio reelaborados. Entretanto, do ponto de vista da trama, a coisa toda permanece igualmente sem uma explicação clara.

Você é um náufrago? Um explorador? Ou, quem sabe, o clamor contínuo por alguém de nome “Esther” em epístolas largadas pela praia dê indícios de algum estado alterado de consciência...

Algo extrafísico? Difícil saber ao certo. Mas isso não o impede de colher alguns bons momentos de pura contemplação, sem qualquer necessidade de saltos em plataforma, puzzles ou headshots. Naturalmente, se isso vale ou não alguns tostões do Steam... Isso certamente é algo que se deve analisar. Vamos aos detalhes.

Assim como vários projetos similares, Dear Esther simplesmente escapa de qualquer tentativa de classificação. De fato, talvez a única categoria pertinente aqui seja a de uma “experiência audiovisual” — embora isso ainda soe terrivelmente amplo.

Img_normal
Uma boa dica? Esqueça as classificações. Esqueça também os padrões preconcebidos e cultivados durante anos pela indústria. Apenas mergulhe na solidão contemplativa de Dear Esther... E, entre peregrinos, mensagens cifradas e ambientes paradisíacos, surpreenda-se com o que estará à sua espera do outro lado.