25 anos de Resident Evil: conheça as origens, o impacto e legado da série

6 min de leitura
Imagem de: 25 anos de Resident Evil: conheça as origens, o impacto e legado da série
Imagem: Capcom

Resident Evil é uma das franquias mais queridas pelos jogadores brasileiros, e hoje (22/03/2021) são comemorados exatos 25 anos desde o lançamento do primeiro título da série! Para não deixar a data passar em branco, preparamos esse especial completo com as origens da série e as suas curiosidades mais interessantes. Confira a seguir!

As origens de Resident Evil

É seguro dizer que Resident Evil não existiria sem Sweet Home, um jogo de terror e sobrevivência lançado apenas para o Famicom (o Nintendinho japonês) em 1989. Nele, cinco cineastas exploram uma mansão antiga repleta de inimigos sobrenaturais munidos de recursos bem limitados, com pouca munição e armas à disposição. Soa bem familiar, não?

O produtor Tokuro Fujiwara queria fazer um remake desse jogo lançado pela própria Capcom, e o desenvolvimento ficou a cargo da lenda Shinji Mikami. Inicialmente ele o imaginou como um jogo de Super Nintendo, depois como um título 3D em primeira pessoa para PlayStation e, finalmente, como uma aventura em terceira pessoa com cenários pré-renderizados.

Sweet Home trouxe ao Famicom a base das ideias que viriam a estourar em Resident EvilSweet Home trouxe ao Famicom a base das ideias que viriam a estourar em Resident EvilFonte:  How Long to Beat? 

Sua câmera fixa e foco na coleta de itens e solução de puzzles acabou ajudando a popularizar uma fórmula que já estava bem presente nos computadores em séries de terror como Alone in the Dark, lançada pela Infogrames em 1992. Essa franquia é considerada por muitos como o pilar dos outros jogos de terror e sobrevivência que dominaram a década, inspirando desde Resident Evil até Silent Hill.

A popularização do Survival Horror

Se Alone in the Dark mostrou o caminho das pedras, Resident Evil foi quem lapidou a fórmula e mostrou ao mundo como o formato poderia ser rentável e um sucesso massivo. Com versões para PlayStation (o console mais popular da época), SEGA Saturn e PC, o jogo virou febre e dominou o imaginário gamer.

A versão original vendeu quase 3 milhões de cópias, tornando-se o maior sucesso do PlayStation até então, e ainda inspirou um relançamento na edição Director's Cut com suporte a DualShock, com mais 2,3 milhões de unidades vendidas.

Ao gerar mais de 200 milhões de dólares em lucro para a Capcom, era evidente o potencial comercial da franquia. Assim, com a sua câmera fixa, gameplay intenso e ampla aceitação do público, o gênero survival horror ganhava forma e estava pronto para ditar os novos rumos da indústria.

Os clones e derivados

É consenso entre os jogadores e mídia que a "era de ouro" do survival horror aconteceu entre os anos 1996, com o lançamento do primeiro Resident Evil, e 2004, quando a própria franquia o "matou". Afinal, em 2005 o maior expoente do gênero mudou bastante a sua proposta de gameplay com o lançamento de Resident Evil 4, como explicaremos mais adiante.

Nesse meio tempo, o sucesso da Capcom acabou inspirando dezenas de ótimos jogos mais do que dispostos a se inspirar na fórmula de terror, recursos limitados e câmera fixa ditando o tom do suspense. Vários deles chegaram até a apresentar novas mecânicas bem interessantes!

Nós já separamos os principais jogos inspirados em Resident Evil em um texto à parte, mas não podemos deixar de mencionar por aqui Eternal Darkness: Sanity's Requiem, que manipulava os jogadores e gameplay com suas mecânicas de insanidade, e Silent Hill, franquia da Konami dona de algumas das melhores tramas já vistas e que abusava do terror psicológico!

A Capcom também bebeu de sua própria fonte quando deu vida à cultuada franquia Dino Crisis, que trazia mais ação cinematográfica e perseguições eletrizantes, cortesia do criador de Resident Evilem pessoa, Shinji Mikami! Curiosamente, o mesmo diretor seria responsável por ditar os novos rumos do gênero ao colocar ainda mais ação no seu próximo grande sucesso...

As reinvenções da franquia

No comecinho de 2005, a Capcom trouxe ao Nintendo Gamecube Resident Evil 4. O que deveria ser um título exclusivo acabou se tornando um dos jogos mais portados da história, com versões para as mais diversas plataformas e gerações, sempre marcando presença entre os jogos mais vendidos.

Para a surpresa de novos e velhos fãs, a câmera fixa agora dava lugar a uma nova perspectiva Over the Shoulder, com a ação em terceira pessoa sempre vista pouco acima dos ombros do protagonista Leon S. Kennedy. Isso tornava a ação muito mais imersiva e os tiros ainda mais precisos, uma fórmula tão certeira que acabou virando o novo padrão para os videogames de ação.

Na ocasião, o jogo foi universalmente aclamado tanto pelos jogadores como pela crítica especializada, mas os rumos posteriores da franquia acabaram dividindo um pouco os fãs, já que parte deles lamentava o foco progressivo na ação visto em Resident Evil 5 e 6, o que acabou manchando um pouco a reputação de Resident Evil 4 por tabela, dependendo de com quem você conversar.

Até por isso a reimaginação seguinte da franquia acabou tendo uma recepção bem mais positiva: no Resident Evil 7: Biohazard de 2017, o diretor Koshi Nakanishi tirou o pé do acelerador e levou a franquia de volta ao ritmo de suspense e exploração mais lentos, com uma grande casa cheia de puzzles, segredos e sustos para desbravar, dessa vez em primeira pessoa. Deu tão certo que logo mais, em maio de 2021, veremos mais um jogo nessa linha com a chega de Resident Evil Village!

Curiosidades interessantes

Fora dos títulos principais da série, Resident Evil já protagonizou muitas histórias curiosas e até mesmo aventuras por outras mídias. Por exemplo, entre 2002 e 2016 a franquia inspirou nada menos que seis filmes em live action! Boa parte dos fãs dos jogos não gostam muito deles, mas eles fizeram bastante sucesso de bilheteria e contam com a atriz Milla Jovovich no papel principal.

Além do live action, a franquia também gerou longas animados mais fiéis ao jogo, como Degeneration (2008), Damnation (2012) e Vendetta (2017). Ainda em 2021 a Netflix vai lançar uma nova animação chamada Infinite Darkness e os seus eventos serão totalmente canônicos, então estamos otimistas para ver no que vai dar!

Se os fãs não gostam tanto dos longas, ao menos os jogos clássicos são uma eterna fonte de alegria, e até hoje inspiram uma apaixonada cena de modders dispostos a reimaginar conceitos clássicos da série, com direito a mundos abertos e novas perspectivas de câmera. Confira o nosso especial com os melhores mods da franquia para saber mais!

Ainda no tema dos ports e modificações, não foram só os fãs que trabalharam duro. Você sabia que em 1998 a Capcom fez o que parecia impossível e conseguiu lançar uma versão de Resident Evil 2 para os cartuchos do Nintendo 64? O trabalho foi feito pela Angel Studios, que lançou uma edição praticamente perfeita do jogo visto nos CDs Posteriormente, a talentosa equipe da Angel Studios viria a trabalhar na franquia Red Dead Redemption, já como a Rockstar San Diego!

Mas nem todos os "ports impossíveis" tiveram o mesmo êxito. Aqui no Brasil nós tivemos a "honra" de receber uma versão própria de Resident Evil 4 para o console nacional Zeebo, o videogame nacional da TecToy. Apesar de ter algumas ideias bem à frente de seu tempo, como a independência de mídias físicas, o hardware era muito limitado tecnicamente, então ele se limitava a rodar títulos com perfil similar aos dos jogos mobile da época:

Por fim, Resident Evil também inspirou uma história bem inusitada no mundo real! Para divulgar o lançamento de Resident Evil 5 na Inglaterra, a equipe de marketing local resolveu fazer uma ação promocional que colocava os fãs para buscar membros e pedaços de corpos de mentirinha perto da ponte Westminster.

O problema é que algumas partes foram roubadas por curiosos, e elas estavam acompanhadas por fígados de galinha não preparados, o que pode ser um alimento de consumo nocivo. Isso acabou virando um caso de polícia local e a publicidade negativa acabou manchando o lançamento do jogo.

Gore e terror sempre foram parte essencial da divulgação da série, como nesse antigo anúncio nas revistas de videogameGore e terror sempre foram parte essencial da divulgação da série, como nesse antigo anúncio nas revistas de videogameFonte:  Twitter Let's Talk RE 

Quais são as suas melhores memórias com a franquia? Qual é o seu jogo favorito da série? O que gostaria de ver nos próximos 25 anos de história desse grande sucesso da Capcom? Comente a seguir!

Imagem: Jogo Resident Evil 7 biohazard, Playstation 4
Imagem: Tecmundo Recomenda

Jogo Resident Evil 7 biohazard, Playstation 4

Com um visual muito mais realista, é o primeiro jogo da franquia com o gameplay em primeira pessoa. Sobrevive ao terror pelas área rural dos Estados Unidos.

25 anos de Resident Evil: conheça as origens, o impacto e legado da série