Carros inteligentes não carregam consigo o apelido “smart” à toa: eles não mais servem apenas como meio de transporte, mas são, também, plataformas completas multimídia. Conectados à internet e equipados com sensores e câmeras, os veículos carecem de mais atenção além da tradicional assistência mecânica.

Foi nesse sentido que a Intel anunciou no último domingo (13) o Automotive Security Review Board (ASRB). O objetivo da inciativa é desenvolver medidas de cibersegurança dedicadas aos smarts. O projeto é composto por especialistas em segurança de todo o mundo. Desenvolvimento de soluções físicas e virtuais e testes dos sistemas adotados pelas fabricantes são algumas das atividades do ASRB.

Para referência, vale mencionar que a Fiat Chrysler já fez mais de 1.4 milhão de recalls em seu SUV, carro que faz uso do Uconnect e que, de acordo com a própria empresa, apresenta vulnerabilidade a ataques remotos (tal como controle do motor).

“Quando o automóvel está na estrada, o software dele está em risco. A análise de ameaças e a avaliação dos riscos apresentados pelos programas são feitos durante toda a vida útil do carro”, informa a Intel. Segundo Chris Young, vice-presidente e gerente geral de segurança da fabricante de processadores, ações incisivas devem ser criadas de imediato.

“Nós podemos e devemos ‘forçar a barra’ contra ciberataques em automóveis. Com a ajuda do ASBR, a Intel pode desenvolver práticas melhores de segurança e ‘ajudar a dar ênfase’ à cibersegurança, que é um aspecto essencial durante a concepção de todo o carro”, comenta o executivo.

Em que ano carros inteligentes vão começar a circular normalmente pelas nossas ruas? Comente no Fórum do TecMundo