(Fonte da imagem: ExtremeTech)

Se você tem um amigo que fala demais, certamente já deve ter imaginado uma forma de calá-lo em algum momento. Amordaçá-lo ou usar dardo tranquilizante que o deixe quieto por alguns minutos não fariam nada mal. Porém, parece que cientistas japoneses criaram um equipamento especialmente para calar a boca das pessoas.

Batizado de SpeechJammer, o aparelho se parece com um estranho megafone, embora sirva exatamente para o oposto. Porém, engana-se quem imagina que ele funciona absorvendo o som ou qualquer outro tipo de coisa de desenho animado. Em resumo, ele confunde o emissor.

Desenvolvida pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Industrial Avançada do Japão, a “arma” rebate o som de volta para a pessoa que falou com uma diferença de milissegundos, fazendo com que o indivíduo se desoriente. Quem é músico e trabalha com retorno sabe o quanto isso pode ser incômodo.

Como funciona

Porém, o SpeechJammer é um pouco mais complexo do que um simples “bate e volta” sonoro. Isso porque ele traz outros componentes que servem exatamente para aprimorar esse sistema, deixando-o praticamente infalível.

Para identificar o som, há um microfone direcional posicionado na parte superior da arma. É a partir dele que a fala é captada e envia o áudio o equipamento. Além disso, há um sensor que calcula a distância do emissor da mensagem para ajustar o tempo de retorno do som. Assim, independente do quão perto a pessoa esteja, o atraso proposital vai acontecer.

Para que serve?

Mas a pergunta que fica é: para que serve um aparelho desses? De acordo com o instituto japonês, o SpeechJammer foi desenvolvido para acabar com discussões, seja em reuniões ou em qualquer outro ambiente em que haja uma confusão.

Por outro lado, há quem já demonstre preocupação quanto às possíveis finalidades dadas ao equipamento. Como ele é capaz de calar qualquer pessoa, ele pode ser facilmente utilizado para acabar com manifestações populares, o que seria extremamente útil na mão de governos ditatoriais.

Cupons de desconto TecMundo: