WhatsApp muda política de privacidade na Europa após multa

1 min de leitura
Imagem de: WhatsApp muda política de privacidade na Europa após multa
Imagem: Shutterstock
Avatar do autor

Após receber uma multa recorde de 225 milhões de euros (o equivalente a R$ 1,4 bilhão na cotação do dia), aplicada pelos reguladores europeus em setembro, o WhatsApp mudou sua política de privacidade na região. Com as novidades anunciadas na segunda-feira (22), o app torna algumas normas mais transparentes.

Segundo a Meta, proprietária do aplicativo de mensagens, as alterações levaram a uma reorganização e acréscimo de detalhes, tornando as regras mais claras para quem vive na União Europeia e no Reino Unido. Vale lembrar que elas já eram diferentes ali das encontradas no resto do mundo.

Os responsáveis pelo mensageiro ressaltaram que os ajustes não mudam nada nos processos e acordos com os usuários. Dessa forma, eles não serão obrigados a concordar com nenhum termo nem tomar qualquer atitude para continuar a utilizar o WhatsApp.

As alterações tornaram as normas sobre a coleta de dados mais transparentes.As alterações tornaram as normas sobre a coleta de dados mais transparentes.Fonte:  Shutterstock 

Essa nova política de privacidade entra em vigor imediatamente no território europeu, mas não significa que a empresa tenha concordado com a multa. Apesar de atender às determinações dos reguladores, a Meta vai recorrer da sanção aplicada por acreditar que já estava alinhada com as obrigações de transparência antes da punição.

Maior clareza sobre a coleta de dados

Segundo investigações da Comissão de Proteção de Dados da Irlanda (DPC), o mensageiro não era claro a respeito da coleta e utilização dos dados dos usuários. A partir de agora, a plataforma explicará melhor como essas informações são armazenadas e utilizadas.

Esclarecimentos sobre o envio de dados para outros países e a forma como eles são protegidos também acabaram incluídos nos regulamentos do serviço. Houve ainda o acréscimo de explicações relacionadas aos dados compartilhados com empresas que vendem pelo app.

As mudanças foram uma exigência do DPC. O órgão é o principal regulador de privacidade da União Europeia para a Meta, uma vez que as operações da companhia no continente são baseadas na capital irlandesa.