Microsoft demonstra a importância do TPM 2.0 para o Windows 11

1 min de leitura
Imagem de: Microsoft demonstra a importância do TPM 2.0 para o Windows 11
Imagem: Microsoft/Divulgação
Avatar do autor

Desde o seu lançamento no último dia 5, o Windows 11 tem chamado a atenção pela exigência da presença de alguns recursos de segurança nos computadores em que for instalado, gerando reclamações por parte dos usuários. Para acabar com as críticas, a Microsoft resolveu demonstrar a importância dessas ferramentas.

Em vídeo divulgado no YouTube, a gigante de Redmond explicou a importância de recursos como Trusted Platform Module (TPM) e Virtualization-Based Security (VBS). No experimento conduzido pelo diretor de segurança corporativa e do sistema operacional da Microsoft David Weston, a empresa revelou, na prática, como eles protegem o dispositivo de ameaças online.

Na gravação, o especialista mostra como cibercriminosos têm a chance de obter o controle de um PC vulnerável de forma remota ou atuando localmente, se a máquina não tiver os mecanismos de segurança habilitados. A partir da invasão, é possível roubar dados e infectar o computador com ransomware e outros programas maliciosos.

Primeiramente, Weston realiza uma exploração bem-sucedida de uma porta Open Remote Desktop Protocol (RDP) para espalhar malware em um PC com Windows 10 sem TPM 2.0 e inicialização segura ativados. Na sequência, ele consegue enganar o processo de autenticação biométrica em um dispositivo sem VBS, novamente invadindo o sistema.

Burlando os recursos de segurança

Embora os dois cenários acima não devam acontecer em PCs com Windows 11 e as ferramentas de segurança ativadas, segundo a empresa, a própria Microsoft chegou a ensinar como burlar a verificação do TPM 2.0 ao instalar o novo sistema. A dica dada pela big tech atende aos usuários que tenham problemas de incompatibilidade de hardware durante a atualização.

Porém, a instalação do sistema em máquinas não compatíveis pode deixar o dispositivo sem atualizações, aumentando as possibilidades de problemas futuros, como ressalta a companhia. Além disso, o PC fica mais vulnerável a ações de malwares e outros perigos virtuais, como demonstrado no vídeo.

Fontes