Facebook segue com os planos de integrar WhatsApp ao Messenger

1 min de leitura
Imagem de: Facebook segue com os planos de integrar WhatsApp ao Messenger
Imagem: Unsplash/Reprodução
Avatar do autor

O Facebook dará continuidade ao plano de integrar o WhatsApp ao Facebook Messenger, segundo informações reveladas pelo desenvolvedor e leaker Alessandro Paluzzi, que alega ter encontrado indícios do código do WhatsApp no app do Facebook Messenger para Android. A informação foi divulgada em sua conta do Twitter na última sexta-feira (16).

Vale lembrar que a nova política de privacidade e segurança do WhatsApp, que gerou inúmeras críticas, além da migração de parte dos usuários para o Telegram e Signal, foi motivada por essa integração. Confira abaixo o post do desenvolvedor:

Ao que parece, a ideia é fazer algo semelhante ao que ocorreu com as mensagens diretas do Instagram, que também foram integradas ao Messenger. Assim, será possível que um usuário sem WhatsApp se comunique com outro que possui uma conta no app de mensagens do Facebook.

Na publicação, Paluzzi esclarece que "forçou" que seu post no Twitter fosse reconhecido como uma conversa no WhatsApp. Embora isso não prove uma conexão entre dos aplicativos, revela que ainda existem traços no código e dá uma prévia de como será o funcionamento do recurso após seu lançamento.

Integração será opcional

a  Facebook/Divulgação 

Embora a nova política do WhatsApp, motivada pela união dos apps, seja obrigatória, a integração em si não será. Segundo informações veiculadas pelo site WABetaInfo, os usuários poderão optar ou não pela vinculação, assim como ocorreu no Instagram.

Aliás, neste domingo (18), o Facebook anunciou 10 novos recursos no Messenger com o objetivo de melhorar a integração com os directs do Instagram. Além disso, foram publicadas algumas imagens que talvez indiquem intenções de permitir que os chats recebam vídeos diretamente do Reels. Nesse sentido, caso as alterações já esperadas no WhatsApp sejam lançadas de fato, possivelmente os apps receberão novos recursos. Agora, resta aguardar os novos passos da gigante de tecnologia.