Homem preto fica 10 dias preso por erro de reconhecimento facial

2 min de leitura
Imagem de: Homem preto fica 10 dias preso por erro de reconhecimento facial
Imagem: Reprodução
Avatar do autor

No início de 2019, o departamento de polícia de New Jersey recebeu um chamado para atender um caso de furto em um dos hotéis da rede Hampton by Hilton. Apesar de o suspeito ter fugido do local, dispositivos de reconhecimento facial auxiliaram em sua identificação; então, a entidade expediu um mandado de prisão contra Nijeer Parks, que passou 10 dias na cadeia. O problema? Parks não era o criminoso em questão, e a cor de sua pele pode ter influenciado no caso: ele é um homem preto.

Em entrevista à NJ Advance Media, Nijeer explicou que, quando ficou sabendo da acusação, por não ter carteira de habilitação, pediu a seu primo para levá-lo à delegacia com o objetivo de limpar o seu nome: "Não tinha ideia do que estava acontecendo. Nunca havia ido a Woodbridge [cidade em que o fato ocorreu]. Nem sabia ao certo onde era." Ao chegar ao local, foi algemado e passou pela experiência nada agradável.

"Tenho antecedentes, mas permaneço em casa desde 2016 e não me envolvi em problema algum desde então. Tudo isso me assustou muito, até porque estou tentando levar minha vida de maneira correta", complementou.

Nijeer Parks, acusado de roubo por erro de tecnologia de reconhecimento facial.Nijeer Parks, acusado de roubo por erro de tecnologia de reconhecimento facial.Fonte:  Reprodução 

Punição cruel e incomum

Depois de lutar contra as acusações, Nijeer Parks conseguiu esclarecer os fatos e foi liberado, mas seu advogado alega que tanto a polícia quanto os procuradores envolvidos no caso utilizaram como única evidência dados de reconhecimento facial. Por isso, o representante está movendo um processo contra o departamento por uso de força excessiva, cárcere privado e punição cruel e incomum, buscando indenização por sofrimento físico e emocional.

Este, infelizmente, não é um fato isolado. Robert Julian-Borchak Williams, em junho deste ano, foi preso em Detroit, acusado de roubar cinco relógios que custavam US$ 3,8 mil em uma loja Shinola em outubro de 2018.

Ao Times, Williams disse que foi levado a uma sala de interrogatório, onde foram mostradas imagens do ladrão em uma rede CCTV. As imagens claramente não eram dele. Depois que segurou a foto perto do próprio rosto, um dos detetives disse: "Acho que o computador errou."

Especialistas alertam sobre o viés racial de tecnologias do tipo, que podem ser menos precisas ao analisarem tons de pele que não sejam brancos. Por isso, em janeiro de 2020, Gurbir Grewal, procurador-geral de New Jersey, havia declarado que autoridades de lá não deveriam mais utilizar recursos semelhantes. A ordem, obviamente, não foi cumprida.

Homem preto fica 10 dias preso por erro de reconhecimento facial