Shazam amplia base de usuários e lucra mais após compra pela Apple

1 min de leitura
Imagem de: Shazam amplia base de usuários e lucra mais após compra pela Apple
Avatar do autor

Após a Apple anunciar a compra do aplicativo Shazam em dezembro de 2017 e concluir a aquisição quase um ano depois, os usuários começaram a se perguntar: afinal, o famoso serviço que identifica qual música está tocando no ambiente vai crescer ou perder público com a incorporação pela Maçã?

De acordo com um relatório obtido pela Billboard, a aquisição na verdade só fez bem ao app. A base de usuários ativos do Shazam cresceu de 400 milhões em 2017 para 478 milhões no ano seguinte. Em 2018, o app ainda obteve lucro de US$ 158,4 milhões — sendo que nem isso houve no ano anterior, quando a empresa apresentou perdas de US$ 19,4 milhões.

O único indicador que apresentou queda foi o de receita gerada (US$ 34,5 milhões em 2018 contra US$ 44,8 milhões no relatório anterior), mas isso é esperado. Afinal, a Maçã cortou os anúncios da versão gratuita do aplicativo e ainda fez pequenos cortes na equipe.

Novidades da casa

Como parte da incorporação, o serviço Apple Music adicionou uma lista de recomendações baseadas no Shazam para prever artistas em ascensão. Além disso, a Apple incluiu a habilidade de reconhecer músicas tocadas no seu fone de ouvido e dados do app em uma plataforma para artistas, dando a eles acesso a várias estatísticas importantes de consumo. O iOS e o HomePod também receberam novas funções agregadas ao app.

Cupons de desconto TecMundo:

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Shazam amplia base de usuários e lucra mais após compra pela Apple