Uma das barreiras para o desenvolvimento da inteligência artificial (IA) é usar o conceito de aprendizado de máquina no treinamento de algoritmos. Para isso, muitos pesquisadores têm utilizados os jogos antigos, de 8 e 16 bits. Com uma competição os resultados podem vir mais rápido, certo? É assim que pensa a OpenAI, plataforma aberta que lançou um desafio envolvendo o porco-espinho mais carismático dos games, Sonic, como cobaia.

Antes de mais nada, é preciso dizer como é que os cientistas usam as produções retrô — a exemplo de Mario Bros., Space Invaders ou Doom — nesse tipo de iniciativa. Eles capacitam o algoritmo definindo alguns parâmetros, que servirão como suas “habilidades” básicas. Depois, o experimento fica solto em um ambiente virtual, tentando se virar como pode.

Ao longo de suas milhões e bilhões de tentativas o sistema tenta se mover e pular, aprende em que ocasiões ele “morre” ou não, descobre onde há mais moedas e como é possível aumentar o placar, reconhece as figuras que estão na tela e, em alguns casos, acessa até mesmo a memória interna do software para analisar a geometria dos cenários.

Olha esse caso em que a máquina encontrou um “glitch” no cenário para, digamos, pegar um atalho:

sonic

Treinamento para Sonic vai ser mais difícil

Ainda que o desafio da OpenAI se pareça com os exercícios anteriores, desta vez o buraco é mais embaixo: os participantes não terão que trabalhar apenas em uma AI preparada apenas para uma fase. Ou seja, o sistema montado para o algoritmo aqui precisa usar seus parâmetros para determinar todos os tipos de obstáculos e formas de vencer (ou perder), entre outras coisas, em vários ambientes.

Os pesquisadores poderão usar alguns níveis de exemplos, contudo, suas crias terão que se garantir com o que aprenderam em outras fases e em determinado tempo — neste caso 18 horas de jogo. O algoritmo precisa estar bem treinadinho, para que ele possa desenvolver várias técnicas de movimentação e pulo, por exemplo. Confira abaixo um experiência com Altered Beast.

altered beast

Como ajuda, os participantes terão acesso à plataforma Gym Retro, da própria OpenIA, que traz um emulador do Sonic e várias ferramentas, como dados extraídos do código, mapas, entre outras coisas. Aos vencedores, nada de dinheiro, mas os primeiros lugares receberão troféus e assinatura de coautoria no estudo — o que pode ser um baita vitrine, caso você esteja interessado em um futuro nesse setor.

Para saber mais sobre a competição, clique aqui.