Um dos maiores inimigos dos aplicativos de reconhecimento facial – a iluminação – pode não ser mais um problema em um futuro não muito distante. Isso porque um grupo de pesquisadores da Universidade Ben-Gurion do Neguev desenvolveu um algoritmo capaz de “remover” a luz de uma imagem.

O que isso quer dizer, na prática? Simples: se normalmente fontes de luz muito fortes vindas de cima ou de trás da pessoa atrapalhariam pesadamente a identificação de uma pessoa, essa técnica faria com que aplicativos como o Face ID funcionassem sem problemas. Não limitado a isso, o software também é capaz de remover a iluminação de um painel reto, o que quer dizer que uma imagem de um rosto jamais seria suficiente para “burlar” o sistema.

Para ver como o software, chamado LIVI, funciona na prática, basta conferir o vídeo abaixo. Como você pode notar, mesmo fontes de luz forte conseguem ser simplesmente ignoradas pela câmera com essa tecnologia.

O segredo para essa façanha, aliás? Em resumo, o segredo está no fato de o algoritmo funcionar como uma rádio AM, desligando sinais indesejados. “A intensidade da luz pode ser modulada a diferentes frequências assim como nas ondas de rádio”, explicou Amir Kolaman, um dos envolvidos no projeto. “Nós tornamos cada pixel da câmera em um receptor AM que se ajusta à lanterna e filtra as luzes de fundo dos quadros de saída.”

Infelizmente, o grupo ainda está em busca de investimento para maiores pesquisas sobre a tecnologia. Logo, não espere vê-la chegando até os nossos celulares em um futuro tão próximo.