Inteligências artificiais já estão aprendendo a fazer o trabalho de jornalistas esportivos e até de livros de fantasia campeões de vendas. Por isso, não é exatamente uma surpresa quando descobrimos "Shelley", uma IA programada para criar pequenos contos de terror.

Lançado no propício momento do Dia das Bruxas, o bot que funciona no Twitter foi batizado em homenagem a Mary Shelley, escritora de nada menos que o clássico "Frankestein".

Shelley nasceu no Media Lab do Massachussetts Institute of Technology (MIT) e foi alimentada com 140 mil histórias de terror tirados de um subfórum do Reddit. O objetivo era ensinar o robô a escrever contos assustadores e legíveis — e ela conseguiu, na medida do possível.

Confira algumas das postagens:

  • "Eu estava parado do outro lado da rua quando um fantasma parou atrás de mim. Eu estava tão assustado que não podia me mover. Não podia me mover. Eu não conseguia mexer meus olhos. Eu estava gritando".
  • "Eu ouvi passos firmes porém ágeis atrás da porta e aí a porta fechou forte. 'Você quer ser meu amigo?', a porta respondeu de volta".
  • "Eu pensei que matar os mortos não iria me fazer nada bem e eu simplesmente não queria ver a mulher morta no vestido branco e sujo. Eu fingi estar tão calmo quanto possível, e a mulher veio e perguntou se eu queria ir lá para fora".

Talvez a característica mais curiosa do bot é a interatividade. Shelley twitta novas histórias a cada hora separados em até três tweets e pode continuar contos enviados por usuários na própria conversa usando a hashtag #yourturn (ou "sua vez") . Em outros casos, ela começa o conto, algum humano continua e ela retoma a sequência baseada nessas adições.

Nem todas as histórias contadas por Shelley são bem escritas ou assustadoras. Várias não fazem o menor sentido e são bastante repetitivas em palavras, enquanto outras de fato parecem ser obra de alguém que conhece bem o tema. No mínimo, é vale como curiosidade para ver o quão assustadora a IA está neste Dia das Bruxas.

Cupons de desconto TecMundo: