Você já está acostumado a ver notícias que falam sobre o vazamento de informações de usuários por causa de brechas de segurança em grandes servidores. Em um caso recente, crackers invadiram os sistemas do serviço Ashley Madison e vazaram dados pessoais de milhares de pessoas — o que causou bastante pânico em grande parte dos usuários.

Mas você tem ideia do que é feito com os dados que são roubados nesses ataques? Muito mais do que apenas divulgar senhas e nomes, os crackers podem ganhar muito dinheiro com o que conseguem capturar nas máquinas dos serviços. Mas é claro que você nunca vai ver anúncios de venda de dados na superfície. Isso acontece na Deep Web.... Mais especificamente na Dark Web.

Lá — em fóruns e sites que só podem ser acessados com navegação por camadas —, os dados podem ser vendidos por preços que chegam aos US$ 500 em alguns casos. Mas isso só acontece com informações bancárias de relevância e que possam gerar lucros maiores para os compradores. Mas e quando falamos sobre dados individuais?

Valores cada vez menores

De acordo com um estudo da TrendMicro, nesses casos é difícil que os crackers consigam ganhar mais de US$ 1. Por esse preço, estão inclusos informações como nome completo, endereço, data de nascimento, seguro social e outros dados que podem ser usados em fraudes.

Em períodos passados, isso chegava aos US$ 4 ou US$ 5. Hoje, com o grande volume de vazamentos e quantidades imensas de dados disponíveis, os crackers foram obrigados a baixar os preços para que pudessem continuar vendendo.

O relatório da TrendMicro também mostra que dados individuais chegam aos US$ 35, mas para isso é preciso que eles sejam acompanhados de imagens de passaportes digitalizados, licenças de motorista, contas que comprovem residência e outros documentos que possam dar mais força às fraudes na internet.

.....

Você imaginava que seus dados valiam tão pouco para os crackers? Comente no Fórum do TecMundo

Cupons de desconto TecMundo: