Golpistas oferecem testes da variante Ômicron para roubar dados

1 min de leitura
Imagem de: Golpistas oferecem testes da variante Ômicron para roubar dados
Imagem: Shutterstock
Avatar do autor

Como tem acontecido durante a pandemia da covid-19, os golpistas de plantão estão desenvolvendo um novo esquema fraudulento usando a doença. Dessa vez, os criminosos estão apostando no phishing, técnica de engenharia social utilizada para obter dados confidenciais e bancários dos usuários, aproveitando o atual clima de incerteza e ansiedade gerado pela disseminação da variante Ômicron do coronavírus na Europa.

Detectado inicialmente pela organização de defesa do consumidor Which, o esquema de roubo de dados se faz passar por comunicações oficiais do Serviço Nacional de Saúde Britânico (NHS), no Reino Unido. Utilizando a mesma programação visual do órgão oficial, as mensagens fraudulentas oferecem testes de PCR gratuitos que se dizem específicos para a variante Ômicron.

Por enquanto, o que se tem de concreto em relação à Ômicron é uma comunicação da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmando se tratar de uma “variante de preocupação” do vírus da covid-19. Embora reconheça que a nova mutação deve se espalhar rapidamente pelo mundo nesta semana, a agência mundial ainda não sabe quão eficazes são as atuais vacinas para contê-la, segundo a CBS News.

Como funciona o golpe de phishing da Ômicron?

Fonte: Which/Divulgação.Fonte: Which/Divulgação.Fonte:  Which 

As mensagens falsas sobre a variante Ômicron do coronavírus são enviadas através de textos, emails e até oferecidas por telefone. Durante o contato com as possíveis vítimas, são oferecidos supostos novos kits de teste projetados especificamente para detectar a nova cepa da covid-19.

De acordo com a Which, além das informações falsas — de que a variante é transmitida entre pessoas vacinadas, ou que as vacinas são ineficazes com ela —, uma leitura atenta irá revelar erros gramaticais grosseiros. No entanto, se o destinatário do golpe clicar no link da parte inferior da correspondência, será levado a uma página falsa do NHS que solicita: nome completo, data do nascimento, endereço, números de telefone e endereço de email.

Finalmente, para obter as informações bancárias, o site pede que seja transferido um valor de £ 1,24 (R$ 9,24) como taxa de entrega e o nome de solteira da mãe.