Golpes financeiros: 400 fraudes por hora são bloqueadas no Brasil

1 min de leitura
Imagem de: Golpes financeiros: 400 fraudes por hora são bloqueadas no Brasil
Imagem: Unsplash
Avatar do autor

Mais de 3,4 milhões de golpes financeiros foram bloqueados no Brasil nos 10 primeiros meses de 2021, de acordo com relatório divulgado pela empresa de segurança digital PSafe nesta quarta-feira (3). O número representa uma média superior a 11 mil tentativas diárias ou 400 fraudes online por hora.

Os golpes são difundidos principalmente por SMS, e-mail e redes sociais. Usando essas plataformas, os criminosos virtuais entram em contato com as vítimas alertando sobre supostos bloqueios de cartões, pedidos de atualização de senha e falsas ofertas de upgrade de conta bancária.

Passando-se por representantes de instituições financeiras, os golpistas também oferecem benefícios em transações e solicitam a atualização do app bancário, que leva à instalação de um programa malicioso. A partir daí, as contas digitais podem ser invadidas e os golpistas aproveitam para pagar boletos, fazer empréstimos e transferências.

Exemplo de mensagem falsa enviada para as vítimas.Exemplo de mensagem falsa enviada para as vítimas.Fonte:  PSafe/Reprodução 

“Temos visto uma engenharia social cada vez mais sofisticada e focada não apenas em pessoas físicas, mas principalmente nas empresas pelo alto poder lucrativo do golpe. Para atingir as empresas, focam nos colaboradores, atacando por meio de phishing e arquivos maliciosos cada vez mais convincentes”, enfatizou o CEO da PSafe, Marco DeMello.

Alerta para pequenas e médias empresas

Como relatado pelo especialista, as empresas também estão entre os alvos dos cibercriminosos. E mesmo aquelas com equipes de TI dedicadas estão em risco, uma vez que os golpistas têm explorado outros tipos de vulnerabilidades.

O clique no anexo de um suposto comunicado oficial pode colocar em risco toda a organização, segundo DeMello. Esses ataques geram vazamentos de informações sigilosas, dados de clientes e pedidos de pagamento de resgate pelos arquivos sequestrados.

Para se proteger, é recomendado não clicar em links enviados por fontes desconhecidas, além de confirmar a veracidade das informações com o banco. Usar soluções de segurança em seus dispositivos também ajuda a mitigar os riscos.

Fontes