China: hackers roubam e vendem vídeos de câmeras de segurança caseiras

1 min de leitura
Imagem de: China: hackers roubam e vendem vídeos de câmeras de segurança caseiras
Avatar do autor

Dezenas de milhares de câmeras de segurança foram hackeadas na China, o que levou à comercialização de diversos vídeos ilegais na internet mostrando a rotina — e até a intimidade — das vítimas.

Segundo o jornal South China Morning Post, os clipes são vendidos de acordo com o conteúdo: cenas "normais" em quartos de hotel, restaurante ou casas são comercializadas por 20 yuan cada, enquanto os vídeos com nudez ou até relações sexuais custam 50 yuan.

Há até mesmo a comercialização de senhas para acessar as câmeras de segurança ao vivo.

Estrutura complexa

Investigações pelas autoridades locais revelaram que os anúncios ocorrem normalmente em plataformas e redes sociais chinesas, como o mensageiro instantâneo QQ, da Tencent.

Províncias como as de Guandong, Hunan e Hubei foram as afetadas e, segundo a apuração, os vídeos "picantes" nem são os mais procurados: há quem deseje apenas espiar o dia a dia de famílias chinesas tradicionais, acompanhando a rotina de desconhecidos que não sabem que estão sendo vigiados por terceiros.

A reportagem ainda encontrou mensagens dos criminosos afirmando que há equipes inteiras "viajando pelo país e instalando câmeras onde quer que eles vão", especialmente em hoteis. Não há maiores informações sobre uma investigação em andamento para capturar os responsáveis pelas filmagens.

Fontes