VPNs para Android são hackeadas e dados de usuários caem na rede

1 min de leitura
Imagem de: VPNs para Android são hackeadas e dados de usuários caem na rede
Imagem: Pexels
Avatar do autor

Três serviços de VPN gratuitos para Android tiveram seus sistemas invadidos, e dados de 21 milhões de usuários estão à venda em um fórum hacker devido ao ocorrido. Os aplicativos afetados, SuperVPN, GeckoVPN e ChatVPN, estão entre os serviços de proteção mais utilizados no sistema do Robô, com um alto número de downloads. Só o SuperVPN conta com 100 milhões de instalações na Play Store.

O autor do post está vendendo três arquivos com endereço de e-mail, login de usuário, nome completo, strings de senha geradas aleatoriamente, dados relacionados ao pagamento, status de membro premium e sua data de validade. Com as informações, compradores em potencial podem classificar o país dos usuários e identificar suas contas no aplicativo do Google Play.

O hacker afirma que os dados foram extraídos de bancos de dados, que foram deixados vulneráveis pelos provedores de VPN. Não é a primeira vez que a SuperVPN é invadida.

Sistema de proteção

Ao acessar a internet normalmente, todos  os usuários são identificados pelo IP, com os dados trafegando abertamente. Uma VPN oferece ferramentas de criptografia e navegação sigilosa, possibilitando que o IP do usuário não seja facilmente identificado na internet. O serviço barra operadoras, governos e hackers. Existem os VPNs gratuitos e pagos e, ao escolher um serviço, é preciso se certificar de que o sistema não registra suas atividades online. Caso contrário, as informações podem ser usadas contra o usuário por invasores.

VPNs para Android são hackeadas e dados de usuários caem na rede