FaceApp: conheça os riscos de usar o editor de fotos

1 min de leitura
Imagem de: FaceApp: conheça os riscos de usar o editor de fotos
Imagem: FaceApp
Avatar do autor

Especialistas alertam para os riscos de usar o aplicativo de edição FaceApp, que viralizou nos últimos dias com o filtro de “mudança de gênero”. Segundo as críticas, o app não informa o que faz com os dados fornecidos pelos usuários — que podem estar alimentando bancos de reconhecimento facial indevidamente.

Desenvolvido pela empresa russa Wireless Lab, o editor tem uma política de privacidade padronizada e que não oferece “efetivamente nenhuma proteção”, como explica o comentarista de tecnologia Stilgherrian ao ABC News.

Na política de privacidade e segurança, a companhia diz que utiliza "ferramentas de análise de terceiros para nos ajudar a medir o tráfego e as tendências de uso do serviço. Estas ferramentas reúnem informação enviada pelo seu dispositivo ou pelo nosso serviço, incluindo as páginas web que visita, add-ons, e outra informação que nos ajude a melhorar o serviço.”

a  FaceApp/Reprodução 

Histórico negativo

Em 2019, quando o editor bombou com seu filtro de envelhecimento, uma série de falhas de privacidade foram identificadas. Na ocasião, a empresa esclareceu que os usuários podem solicitar a remoção de dados da nuvem a qualquer momento. Basta acessar Configurações, clicar na aba “Suporte” e a opção aparecerá na tela.

Ao clicar na opção, o seguinte aviso é exibido: “Mesmo sem a solicitação de remoção de dados, todas as fotos são automaticamente excluídas em 48 horas após a última operação de edição”.

Leia tambémGoogle e Apple tomam multa milionária no Brasil por causa do FaceApp

FaceApp: usar ou não usar?

a  FaceApp/Reprodução 

Eis a questão. De acordo com o advogado Michael Bradley, para ser vítima de futuros usos de reconhecimento facial, basta ter uma foto em uma plataforma online com seu nome e outros dados de identificação.

Portanto, qualquer um que tenha uma conta pessoal no Facebook ou no Instagram, por exemplo, já é um possível alvo. Assim, o advogado diz que o FaceApp "não acrescenta muito mais perigo", mas pondera que o consentimento para uso desses dados seria um passo adicional.

Já o presidente da ONG Australian Privacy Foundation, David Vaile, é mais direto. "Resposta curta: não use", disse ele ao ABC News. Segundo o presidente, a licença é tão flexível que os desenvolvedores podem alegar que você deu permissão para que eles enviem os dados para onde e quem eles quiserem.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
FaceApp: conheça os riscos de usar o editor de fotos