Cambridge Analytica é processada nos EUA e declara falência

1 min de leitura
Imagem de: Cambridge Analytica é processada nos EUA e declara falência
Avatar do autor

A polêmica do uso indevido de dados dos usuários rendeu US$ 5 bilhões em multa para o Facebook. Agora, a outra empresa envolvida na confusão, Cambridge Analytica, é alvo de uma ação legal movida pela Federal Trade Commission (FTC), órgão que regulamenta o mercado nos Estados Unidos.

A FTC alega que o app usado pela companhia, um quiz de personalidade, recebia os dados preenchidos pelo usuário para treinar um algoritmo para geração de perfis de usuário — que serviam tanto para direcionar propagandas quanto para identificar intenções de voto na eleição estadunidense.

Alexander Nix, ex-CEO da Cambridge Analytica. (Fonte: Visual Hunt)

Estima-se que a aplicação tenha coletado dados de até 270 mil usuários norte-americanos.

Segundo o documento, o CEO Alexander Nix e o desenvolvedor do quiz “Thisisyourdigitallife” (“Essa é sua vida digital”, em português) foram ordenados a apagar qualquer informação pessoal alheia que possuírem e não criar aplicações enganosas no futuro.

Depois do escândalo, o Facebook estabeleceu uma postura de proteção à privacidade dos usuários, procurando reerguer sua credibilidade nos Estados Unidos.

(Fonte: Pexels)

Além do uso indevido de dados, a empresa de consultoria e análise de dados Cambridge Analytica coletou informações de milhões de perfis do Facebook. E não só de quem participou voluntariamente do quiz; amigos desses usuários também tinham seus dados compartilhados com a companhia.

Estima-se que a aplicação tenha coletado dados de até 270 mil usuários norte-americanos. Esse número, somado à quantidade de amigos também afetados, significa algo superior a 87 milhões de pessoas em todo o mundo.

Cambridge Analytica iniciou o processo de falência, e as únicas cobranças da FTC serão aquelas feitas aos responsáveis pelo aplicativo.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Cambridge Analytica é processada nos EUA e declara falência