Imagem de: Prejuízos por fraudes em ecommerces aumentaram durante 2018

Prejuízos por fraudes em ecommerces aumentaram durante 2018

1 min de leitura
Avatar do autor

As fraudes em ecommerces cresceram em 2018. Um relatório da Serasa Experian mostra que 72% dos negócios online no Brasil admitiram aumento nos prejuízos por conta desse avanço nas fraudes digitais. Foram entrevistas mais de 1 mil companhias em 21 países no relatório Global Identity and Fraud.

O Brasil é o terceiro país com mais registros de fraude, ficando atrás dos Estados Unidos e Reino Unido, diz a Serasa. Enquanto por aqui 72% dos negócios admitem o prejuízo, no mundo, média é de 55%.

Segundo Eduardo Castro, diretor de Decision Analytics da Serasa Experian, “a interação à distância é uma realidade para os negócios digitais, o que faz com que as empresas tenham que se adaptar para oferecer um ambiente seguro, capaz de eliminar riscos de fraudes e usar as informações pessoais de clientes de forma transparente e inteligente para entregar experiências online relevantes”.

Mais dados da pesquisa:

  • 69% das companhias em todo mundo e 84% das empresas entrevistadas no Brasil têm uma preocupação crescente com fraudes eletrônicas
  • Mais de 75% das empresas participantes do levantamento disseram que estão tomando medidas para cumprir com legislações e requisitos regulamentares de proteção de dados pessoais de seus clientes
  • 50% dos negócios online informaram crescimento nos orçamentos previstos para gestão de controle de fraudes
  • 51% das empresas entrevistadas globalmente e 62% das companhias brasileiras investiram mais em ações voltadas à transparência nos últimos seis meses do ano passado
  • 56% das companhias ouvidas pela pesquisa e 68% dos participantes do Brasil disseram projetar, para os primeiros seis meses deste ano, investimentos maiores destinados à transparência

“O levantamento deste ano da Experian mostra como as empresas já reconhecem a segurança, a transparência e a conveniência como as bases para a consolidação de um relacionamento digital mais confiável, dinâmico e assertivo com seus clientes. Muitas organizações demonstram ir além do cumprimento de requisitos legais e regulatórios voltados à gestão de dados pessoais, para viabilizar uma inteligência de negócio cada vez mais orientada por expectativas e padrões de interação online dos consumidores”, complementa Eduardo Castro.

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Prejuízos por fraudes em ecommerces aumentaram durante 2018