Uma falha de segurança identificada no Microsoft Edge e no Safari permitia que cibercriminosos enganassem usuários desses dois navegadores web de uma maneira relativamente fácil. Rafay Baloch, um pesquisador de segurança digital independente, percebeu que era possível recarregar e redirecionar uma página web para outro site sem que a barra de endereços desses dois navegadores fossem alteradas.

Em outras palavras, um hacker poderia criar um site fictício de algum portal de banco ou qualquer outra plataforma online de valor e redirecionar os visitantes para endereços forjados sem que eles pudessem ver a verdadeira URL no topo da página. Com isso, um site qualquer poderia se passar por um site de uma instituição financeira, por exemplo, a fim de roubar dados bancários de seus clientes.

Esse problema foi reportado tanto para a Microsoft quanto para a Apple no começo de junho deste ano. A empresa de Bill Gates corrigiu o problema em agosto, mas a Apple sequer respondeu Baloch.

Dessa forma, até esse momento, o Safari continua vulnerável, enquanto o Edge já não permite que golpes explorando essa falha atinjam seus usuários. Baloch explicou que esperou o tradicional prazo de 90 dias antes de divulgar a falha, a fim de evitar que usuários fossem prejudicados, mas a Maçã parece não ter se importado com a divulgação dos detalhes por parte do pesquisador.

A empresa de Tim Cook ainda não falou oficialmente sobre o caso, e não sabemos quando nem se esse problema será corrigido no Safari.

Cupons de desconto TecMundo: