Algoritmo do Instagram favorece fotos com nudez, diz pesquisa

1 min de leitura
Imagem de: Algoritmo do Instagram favorece fotos com nudez, diz pesquisa
Imagem: Instagram/Divulgação
Avatar do autor

Segundo pesquisa divulgada nesta segunda-feira (15) pelo site independente francês Mediapart, o algoritmo do Instagram favorece conteúdos que contenham certo grau de nudez em relação a outros.

A publicação cita que o algoritmo é baseado em uma patente registrada por dois engenheiros do Facebook em 2015. Ela seria responsável por calcular quanto uma publicação pode render de engajamento, com base em índices e no seu potencial de despertar o interesse dos usuários.

De acordo com a patente, a API pode extrair "recursos" das publicações como objetos, produtos e rostos. Mas, além disso, pode estimar o sexo, etnia e até o "estado de nudez" ou "nível de nudez" de um usuário.

À Mediapart, o Instagram informou que "organiza as postagens nos feeds de acordo com contas seguidas e apreciadas, e não de acordo com critérios arbitrários como a presença de um maiô".

Nudez é mais vista, segundo pesquisa

A pesquisa do Mediapart analisou 1.737 publicações contendo 2.400 imagens publicadas na rede. As mesmas foram postadas entre fevereiro e maio de 2020. Desta forma, o veículo pôde calcular sua taxa de exposição.

Foram reunidos 26 voluntários (não identificados na pesquisa) que usaram uma extensão em seu navegador para rastrear a atividade. No experimento, eles seguiram 37 pessoas (14 homens e 23 mulheres) de 12 países diferentes.

Foi identificado que fotos de mulheres de calcinha ou maiô são vistas 1,6x mais do que fotos totalmente vestidas. Para homens, o mesmo índice de exposição é de 1,3x. Das 2.400 imagens da pesquisa, 362 eram de corpos nus (21%). Por outro lado, fotos que representam nudez representaram 30% da massa total de fotos exibidas.

A Mediapart informa que os resultados, por outro lado, são imperfeitos por causa da sua escala. A pesquisa teve apoio financeiro da European Data Journalism Network, do Algorithm Watch, da estatística Kira Schacht e a desenvolvedora Édouard Richard.

Por meio da sua assessoria de imprensa, um porta-voz do Facebook deu a seguinte declaração ao TecMundo:

"A pesquisa é falha em diversos pontos e mostra de maneira equivocada como o Instagram funciona. Classificamos as postagens em seu feed com base no conteúdo e nas contas nas quais você demonstrou interesse, e não em fatores arbitrários, como a presença de roupas de banho".

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Algoritmo do Instagram favorece fotos com nudez, diz pesquisa