Imagem de: Campanha pela deportação de Glenn Greenwald no Twitter foi criada por robôs

Campanha pela deportação de Glenn Greenwald no Twitter foi criada por robôs

1 min de leitura
Avatar do autor

A empresa de pesquisas DFRLab verificou algumas das contas no Twitter que desencadearam uma campanha pedindo a deportação do jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept, de volta para os Estados Unidos.

A campanha de protesto usou várias hashtags; entre elas, uma das mais populares (#DeportaGreenwald) foi analisada e apontou que muitas das contas mais ativas são suspeitas de comportamento automatizado. Um exemplo é Vânia, identificada como @Vnia60277936, que chegou a postar a hashtag 294 vezes em 4,5 horas.

Algumas publicações a respeito da campanha pela deportação de Greenwald. (Fonte: DRFLab/Reprodução)

No dia 9 de junho, o site The Intercept Brasil, cofundado por Greenwald, publicou uma reportagem revelando conversas vazadas de um app de mensagens em que supostos diálogos trocados entre o ex-juiz Sérgio Moro e o promotor público Deltan Dallagnol demonstravam condutas conspiratórias para incriminar e acelerar a prisão do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva.

Campanha com indícios de atividade automatizada

A conta @Vnia60277936 foi a segunda mais ativa a usar a hashtag #DeportaGreenwald, que acabou entrando para a seção dos tópicos de tendências do Twitter. Além do nome com identificador numérico e uma foto genérica de perfil, a DRFLab constatou que a conta postava uma média de 577 tweets por dia, e a empresa considera que mais de 144 tweets diários são altamente suspeitos. Somente no dia 2 de junho, foram 1.700 posts.

Perfil de @Vnia60277936, um dos mais suspeitos de ser bot. (Fonte: Twitter/Vnia60277936)

Outras contas ativas também apresentam várias características semelhantes às de @Vnia60277936, e a suspeita de se tratar de comportamento automatizado foi confirmada pela Diretoria de Análises de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas, parceira da DFRLab.

Criada por bots, impulsionada por pessoas

O estudo concluiu que, embora a campanha tenha surgido com os bots, grande parte dos retweets foi feita por usuários reais do Twitter. Um dado interessante é que o primeiro e o terceiro posts mais populares eram exatamente contra a campanha, sendo que um deles citava que as "milícias digitais" a favor de "calar" Greenwald são as mesmas que criticam a falta de liberdade de expressão na Venezuela.

Fontes

Comentários

Conteúdo disponível somente online
Veja também
Campanha pela deportação de Glenn Greenwald no Twitter foi criada por robôs