Google e Facebook removem vídeos de atirador no massacre da Nova Zelândia

2 min de leitura
Imagem de: Google e Facebook removem vídeos de atirador no massacre da Nova Zelândia
Imagem: Pixabay
Avatar do autor

Nem mesmo deu tempo de se recuperar da perda de jovens com o ato insano de dois jovens em Suzano, no interior paulista, e o mundo se depara com outro massacre protagonizado por um atirador. Pelo menos 49 pessoas morreram e 48 ficaram feridas em duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia. E o pior: o criminoso realizou os ataques com uma transmissão ao vivo nas redes sociais.

As imagens foram captadas a partir de uma câmera no capacete e mostram o assassino descarregando suas armas em várias pessoas nos corredores de uma das mesquitas. A primeira-ministra neo-zelandesa Jacinda Ardern disse que o “foi um dos dias mais sombrios” de seu país e classificou a ação como um ataque terrorista.

De acordo com o The New York Times, antes do início da transmissão via Facebook, o autor da barbárie publicou um manifesto supremacista branco de 87 páginas. Quatro pessoas foram detidas como suspeitas e a investigação continua.

Gigantes da tecnologia questionadas

Autoridades e usuários mundo afora questionaram imediatamente as medidas que as gigantes da tecnologia vêm tomando para evitar o compartilhamento desse tipo de conteúdo perturbador em suas plataformas. O Facebook respondeu rapidamente, removendo o conteúdo de sua rede.

"A Polícia da Nova Zelândia nos alertou sobre um vídeo no Facebook logo após o início da transmissão ao vivo e removemos a conta do atirador e o vídeo do ar. Também estamos deletando qualquer elogio ou apoio para o crime e para o autor (ou autores) conforme temos conhecimento. Continuaremos trabalhando diretamente com a Polícia da Nova Zelândia. Nossos sentimentos às vítimas, suas famílias e à comunidade afetada por esse ato horrendo”, declarou Mia Garlick, representante da rede social na Nova Zelândia.

Ainda assim, o vídeo se espalhou rapidamente, principalmente no YouTube, e a Google vem se desdobrando para desativar cada nova reprodução, inclusive em seu mecanismo de buscas.

“Nossos corações estão partidos com a terrível tragédia de hoje na Nova Zelândia. Por favor, saibam que estamos trabalhando de forma vigilante para remover qualquer cena violenta”, postou em sua conta oficial no Twitter.

Google e Facebook removem vídeos de atirador no massacre da Nova Zelândia