Cada vez mais comum em ambientes online, a influência de trolls que disseminam fake news acabou por mudar os rumos de empresas e eleições em todo o mundo. Os Estados Unidos conseguiram localizar uma fonte desses sujeitos que vinham planejando interferir nas eleições que aconteceram no país em 2018, e com isso tiveram sucesso ao desmantelar a operação durante o período eleitoral.

Segundo reportagem do jornal Washington Post, o governo estadunidense conseguiu impedir que a Internet Research Agency (IRA) interferisse no período. A agência russa, que opera na missão de influenciar empresas e governos para fins financeiros e políticos a favor da Rússia, teve sua atividade pausada graças a uma ação militar especializada em ciberataques, que conseguiu cortar a conectividade do grupo com a internet no dia das votações.

A organização, que já havia sido apontada como uma "fábrica de trolls", contrata pessoas que se passam por cidadãos norte-americanos para espalhar conteúdos que possam criar polêmicas em redes sociais como Facebook, Twitter, Reddit e YouTube. A IRA é apontada como responsável por espalhar notícias falsas e materiais sensíveis a organizações políticas dos EUA também durante as eleições de 2016.

Prédio em São Petesburgo que foi usado pela IRA em 2018 (Imagem: Reprodução/Associated Press)

Quando questionado sobre o assunto, o porta-voz do Cyber Command, divisão da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Joseph Holstead, desconversou e afirmou que "o governo não discute planejamento e operações no cyberespaço". Holstead completou que o setor continuará trabalhando como parte de um esforço conjunto com todo o governo para defender as eleições e as instituições democráticas contra influências estrangeiras, de acordo com as estratégias de defesa nacional.