O The Reveal teve acesso a documentos internos do Facebook que detalham como a empresa conseguiu dinheiro através de transações comerciais com crianças anos atrás. De acordo com os documentos, os próprios funcionários do Facebook estavam preocupados com o fato de estarem enganando crianças que acumulam centenas e - às vezes milhares - de dólares em cobranças de jogos.

Para quem não lembra, em 2012 o Facebook lutou contra uma ação coletiva que alegava que a empresa estava lucrando graças às crianças que acidentalmente acumulavam enormes taxas de cartão de crédito. Na época, o autor principal do caso estava jogando no Facebook quando pediu o cartão de crédito de sua mãe emprestado para fazer uma compra de U$20 no jogo. Segundo os advogados, os pais acreditaram que a criança estava fazendo compras utilizando uma "moeda virtual", o que fez com que várias dívidas fossem feitas no mesmo cartão por semanas sem perceber.

Quando receberam a conta, a mãe da criança solicitou que o Facebook reembolsasse o valor, dizendo nunca ter autorizado qualquer cobrança além dos U$20 originais. No entanto, a empresa nunca devolveu o dinheiro, forçando a família a entrar com uma ação judicial para conseguir o valor de volta.

O caso foi encerrado em 2016 de força confidencial, mas o The Reveal solicitou judicialmente que esses documentos fossem divulgados por trazerem informações importantes sobre as transações comerciais da rede social com menores de idade. Na última segunda-feira, o tribunal concordou em liberar alguns desses registros, dando ao Facebook o prazo de dez dias para disponibilizar mais de cem páginas ao público.

Adicionalmente, o The Reveal relatou que em um dos documentos liberados dois funcionários do Facebook são registrados discutindo sobre devolver ou não o dinheiro para uma criança - a quem eles chamam de "baleia" - que acumulou U$6.545 em cobrança de um jogo na rede social. Ao final da discussão, ambos decidem não reembolsar o valor.

Vale lembrar ainda que, embora os pais estivessem cientes de que seus filhos estavam jogando no Facebook, a maioria não acreditava que a criança poderia realizar compras sem autorização ou não sabia que os jogos continuavam a cobrar. De acordo com os registros, o Facebook não conseguiu fornecer uma maneira eficaz para os pais desavisados contestarem as cobranças realizadas.

Visto que a rede social vem passando por vários escândalos nos últimos anos, como vazamento de dados de usuários e postagens de notícias falsas, a divulgação desses documentos internos deve esclarecer ao público como o Facebook lida com seus usuários e clientes que confiam seus dados pessoais, mesmo que os jogos sejam somente uma parte de tudo isso.

Facebook deverá liberar documentos sobre transações comerciais com crianças via Voxel

Cupons de desconto TecMundo: