Twitter anunciou nesta segunda (1º) uma série de mudanças nas regras da rede social que estabelecem critérios mais rígidos contra contas falsas e perfis que distribuem material obtido ilegalmente, como informações particulares adquiridas por hackers. As medidas foram anunciadas como parte de um esforço para garantir a integridade das eleições deste ano nos Estados Unidos, que acontecem em novembro.

Na área de combate às contas falsas, o Twitter vai levar em consideração fatores como o uso de imagens de bancos de dados no perfil, biografias copiadas de outros sites e informações deturpadas na página para definir se uma conta é considerada falsa ou não. As novas regras também estabelecem que a empresa pode punir todos os perfis ligados a uma mesma pessoa, caso esse sujeito não cumpra com as regras da plataforma.

Twitter vai usar critérios mais rígidos para decidir se uma conta é considerada falsa ou não.

Ainda nesse ponto, a rede social afirma que deletou cerca de 50 contas que se passavam por membros do Partido Republicano dos Estados Unidos com o objetivo de enganar os eleitores, além de 770 perfis com origem no Irã que buscavam compartilhar desinformação relacionada às eleições no Twitter.

Essas mudanças também pretendem reforçar o combate à distribuição de conteúdo obtido via invasão de computadores. Agora os novos critérios da rede social permitem que ela puna contas que façam ameaças ou incentivem publicamente que uma pessoa ou instituição específica sejam hackeadas. Comentários sobre um caso do tipo ou notícias sobre esses ataques não serão enquadrados e estão liberados.

Além das novas regras, o Twitter passou a permitir que as contas oficiais de candidatos tenham uma etiqueta na rede social mostrando para qual cargo ele está concorrendo. Como forma de aumentar a segurança desses perfis, a empresa também enviou notificações encorajando os políticos a ativar a verificação em duas etapas, que exige um código recebido no celular para fazer login em novos dispositivos.