O Twitter está comprometido a fechar o cerco contra o assédio e o discurso de ódio dentro da sua plataforma. Após as novas diretrizes de uso da plataforma terem vazado nesta semana, a companhia divulgou um cronograma de ações para tornar o ambiente da rede livre de trolls e abusadores.

Até o final de outubro, passam a valer as novas sanções para publicações não consensual de nudes e também um novo sistema de apelação contra a suspensão de perfis. Quem tiver a sua conta suspensa pode pedir revisão do caso e, caso a remoção esteja correta, serão fornecidas informações detalhadas sobre o processo.

Para o mês de novembro, o Twitter promete ensinar as suas regras aos abusadores e também usar o email para notificar usuários suspensos. Ainda no mês que vem passam a valer as novas regras para grupos violentos e imagens e símbolos de ódio, que serão desfocadas tais quais imagens pornográficas.

Novas medidas contra assédio e ódio começam a ser implementadas a partir de outubro de 2017 e vão até janeiro de 2018

Conversas sexuais não consensuais também passam a sofrer novas sanções em novembro, assim como serão expandidas as definições de spam. Por fim, o penúltimo mês do ano traz ainda uma nova tecnologia para avaliar reclamações de usuários, um novo processo de revisão de reclamações a também a proibição do uso de nomes de usuário abusivos ou que exprimam ódio.

Mais novidades

Os meses de dezembro e janeiro também terão novidades. No último mês de 2017, o Twitter começa a proibir publicações que elogiam ou glorificam atos violentos, revisa os programas de testemunhas de denúncias e amplia o combate às conversas com temas sexuais indesejadas. Por fim, no primeiro mês de 2018 traz consigo uma nova ampliação do sistema de testemunhas de denúncias para todos os usuários.